Os EUA não prestarão nenhuma assistência adicional à reconstrução da Síria enquanto as forças iranianas permanecerem no país, afirmou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, citado pela agência AFP.

A afirmação foi feita nesta quarta-feira (10) durante o discurso de Pompeo no Instituto Judaico para a Segurança Nacional da América (JINSA, na sigla em inglês), com sede em Washington.

Falando perante um grupo pró-Israel, o político prometeu avançar com a iniciativa do presidente Donald Trump para isolar o Irã, impondo “umas das sanções mais duras na história”.

“O ônus de expulsar o Irã do país recai sobre o governo sírio, que é responsável pela sua presença lá”, disse o secretário de Estado.

“Se a Síria não garantir a retirada total das tropas apoiadas pelo Irã, não receberá nem um dólar dos Estados Unidos para a reconstrução”, acrescentou Pompeo.

No fim de setembro, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, declarou na sede da ONU em Nova York, falando sobre a Síria, que os EUA “não vão embora enquanto as tropas iranianas estiverem fora das fronteiras” de seu país.

Atualmente, na Síria estão cerca de 2.000 soldados norte-americanos, principalmente em missões de treino militar, escreve a AFP. As tropas estadunidenses foram deslocadas ao país árabe em 2014 sob o pretexto de lutar contra os terroristas do grupo Daesh (proibido na Rússia).

 

Sputnik Brasil