Empresário Mohamad Ibrahim Barakat, ex-vereador e Ex-Secretário de Indústria e Comércio  de Foz do Iguaçu

A imprensa noticiou a prisão do comerciante Assad Ahmad Barakat no Paraguai como uma vitória da luta contra o terrorismo. Nada mais falso.

Também é mentira que Assad tenha comprado prêmios em um cassino do lado argentino no valor de US$ 10 milhões de dólares para enviar ao Hezbollah. A prova dessa mentira é que Assad – um pequeno comerciante – jamais teve esse valor, e o cassino citado é norte-americano, ou seja, caso fosse verdade, jamais alguém recorreria a um cassino norte-americano para esse tipo de evasão de divisas.

Na verdade, Assad Barakat é um comerciante honrado e trabalhador, admirado e respeitado por todos que o conhecem no Brasil e Paraguai. Mas então, por quê seu nome está na lista do Departamento do Tesouro dos EUA como indivíduo perigoso, financiador do Hezbollah (um partido político libanês, considerado terrorista pelo governo norte-americano)? Pelo simples fato de que o governo norte-americano cria factoides em diversas partes do mundo para justificar sua luta contra o terrorismo, para impulsionar o comércio de armas. O presidente Putin declarou semanas atrás que 95% das ações terroristas no mundo são organizadas, orquestradas ou financiadas pela CIA, isto é, pelo governo dos Estados Unidos da América.

A matéria divulgada pela grande imprensa faz parte das matérias produzidas pelo Pentágono e distribuídas pelas agências de notícias. Além de ser uma matéria mentirosa sobre Assad Barakat é uma matéria ofensiva à família Barakat. Meu avô foi o primeiro sírio libanês que emigrou ao Brasil 1892. Meu pai foi um dos primeiros mascates; ele chegou a Foz do Iguaçu 1950. Membros da família Barakat estão espalhados por países como Canadá, Estados Unidos da América, Brasil, Chile, Paraguai, Argentina, entre outros, além de países europeus, árabes e asiáticos. Portanto, acusar de forma irresponsável o “Clã Barakat” por ações criminosas é inaceitável. Mesmo porque não existe o “Clã Barakat”, mas sim a família Barakat, da qual milhares de pessoas fazem parte, e são pessoas que contribuem com o seu trabalho para o progresso dos países onde residem.

As acusações mentirosas do governo norte-americano ao libanês naturalizado paraguaio Assad Ahmad Barakat faz parte da política internacional norte-americana de criminalizar inocentes, fomentar guerras e lucrar com o comércio de armas. Os EUA são os maiores fabricantes e exportadores de armas do planeta.

Terrorismo sempre houve na história da humanidade, mas da forma organizada como estamos vivenciando começou no governo de Ronald Reagan, em 1985, quando ele recebeu na Casa Branca lideranças do Talibã para financiar a luta contra as forças soviéticas. Os presidentes que se sucederam nos EUA seguiram a mesma estratégica. Bush – pai e filho – financiaram o Estado Islâmico e a Fraternidade Muçulmana. Essa política é responsável pela derrubada de Sadam Hussein no Iraque, Muamar Kadafi na Líbia, guerras e revoluções na Argélia, Tunísia, Egito, Iemen, Síria, entre outros. E tudo isso para fortalecer a indústria bélica norte-americana e submeter os países árabes ao domínio sionista.

Nos países chamados democráticos são três poderes que governam: Legislativo, Executivo e Judiciário. Nos EUA são 4, e acima dos três citados, está o imperialismo, que domina o país e atua para dominar o mundo.

a) Mohamad Ibrahim Barakat

Ex-vereador e Ex-Secretário de Indústria e Comércio  de Foz do Iguaçu