Colômbia protestou nesta terça-feira contra o Governo da Venezuela por sobrevoo de helicópteros e desembarque de suas forças armadas no território do país vizinho. Colômbia classificou o incidente de violação de sua soberania.

O ministério das Relações Exteriores colombiano alegou que a operação do exército venezuelano ocorreu no dia 19 de agosto em uma área rural do município de Tibu, no departamento Norte de Santander. Bogotá apresentou uma nota de protesto à Embaixada da Venezuela, informou Reuters.

“Se registrou uma violação da soberania da Colômbia por dois helicópteros militares, identificados com as iniciais da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e cerca de 30 pessoas armadas pertencentes às Forças Armadas Bolivarianas da Venezuela, que foram desembarcadas no referido setor”, informou um comunicado oficial colombiano.

Incursões militares da Venezuela em território colombiano têm aumentado nos últimos anos, em meio às tensões diplomáticas entre os governos de Bogotá e Caracas.

O incidente é o primeiro do tipo desde a recente eleição do presidente Iván Duque.

Colômbia e Venezuela compartilham uma fronteira terrestre de 2.219 quilômetros, que registra alto nível de contrabando e de tráfico de drogas.

Maduro acusa Colômbia de provocar um conflito armado com Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou a Colômbia de preparar “incidentes” com o objetivo de generalizar um conflito armado entre as duas nações.

“Uma série de incidentes e provocações de natureza militar estão sendo preparadas pelo governo colombiano de Juan Manuel Santos do território colombiano e dentro do território venezuelano para gerar um conflito armado entre a Colômbia e a Venezuela”, disse o presidente.

Maduro fez estas declarações durante um evento na Academia Militar em Fuerte Tiuna, a oeste de Caracas, com oficiais das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas.

O líder venezuelano enviou uma mensagem às forças militares e policiais da Colômbia para não se prestarem às “armadilhas” do presidente Santos, que deixa o cargo em 7 de agosto.

“[Santos] quer deixar um conflito militar para fazer o favor do imperialismo norte-americano contra a independente e soberana República Bolivariana da Venezuela”, disse Maduro.

Da mesma forma, o chefe de Estado venezuelano disse confiar nos militares colombianos para que eles não se prestem a um “conflito entre irmãos”.

Além disso, ele pediu ao corpo militar de seu país a levantar a guarda através da fronteira e tomar medidas de inteligência para garantir a paz em todo o seu território.

Sputnik Brasil