As investigações sobre a execução de Marielle Franco e Anderson Gomes correm contra o tempo e enfrentam rachas e divergências. Enquanto a Delegacia de Homicídios (DH) acelera para dar uma solução ao caso até o dia 31, a investigação teve um racha. O Ministério Público estadual, que deve trabalhar junto à polícia, rompeu com a DH por discordar dos rumos do inquérito. Paira a suspeita de que tenham sumido imagens importantes de câmeras de segurança que poderiam ajudar na elucidação do crime.

A reportagem do jornal O Globo destaca que “o possível desaparecimento de provas consolida divergências que não são novas. Nos últimos meses, a 23ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal (PIP), com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), conseguiu, numa apuração paralela, dados novos. As duas promotoras responsáveis pelo caso, no entanto, mantêm sigilo sobre as descobertas.”

E acrescenta que “o secretário de Segurança, general Richard Nunes, tem pressionado por resultados. O delegado Giniton Lages, titular da DH, adotou a “estratégia” de prender pessoas com mandados de expedidos por outros crimes, mas que podem ter relação com o caso Marielle. Nesta terça-feira, Renato Nascimento Santos, o Renatinho Problema, foi capturado com mandados de prisão de outros dois homicídios. Ele é considerado braço direito de Orlando de Curicica, que está no Presídio Federal de Mossoró e foi apontado por uma testemunha como um dos mandantes do crime. A Divisão de Homicídios da Capital também enfrenta denúncias feitas pelo próprio Curicica. Por conta delas, a investigação está sendo “investigada” pelo Ministério Público Federal.”

Plantão Brasil