A Secretaria de Estado da Cultura do Paraná (SEEC) promove, até o fim de novembro,  mais uma fase do projeto Agentes de Leitura. Nesta etapa, 50 novos agentes de leitura serão capacitados, com o objetivo de levar aos municípios, com o conhecimento adquirido, o incentivo à leitura e à literatura entre crianças e adolescentes. Ao todo, dez municípios serão atendidos nesse período.

 “O Agentes de leitura é um projeto que trabalha a democratização do acesso a leitura. O Governo do Paraná está ampliando as ações, viabilizando o acesso e o público está sendo atendido em vários lugares das cidades, e não só nas bibliotecas. O projeto também atende o Plano  Estadual do Livro, Leitura e Literatura”, afirma o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani.

De acordo com a coordenadora do Plano Estadual do Livro, Leitura e Literatura (PELLL) da SEEC, Tatjane Garcia, as atividades das oficinas estimulam o pensamento crítico e a criatividade.

“A leitura e o contar histórias estão muitos ligados à capacidade de criar e de imaginar tanto de quem conta quanto de quem ouve uma história. Exercícios que estimulem este lado criativo são fundamentais na formação de um bom agente de leitura”, afirma Tatjane.

A escritora Rosana Mont´Alverne, professora de uma das oficinas de capacitação, entende o estímulo à imaginação como algo fundamental na formação de um mediador de leitura. “Quando o agente conta a história, ele tem que primeiro entrar na paisagem dessa história. Ouvir as vozes, enxergar os personagens, os trejeitos deles. Ao acessar essa paisagem, o contador estimula a própria imaginação e passeia pelo conto. Com isso, leva junto o ouvinte neste passeio”, explica a professora.

Como parte da formação, os agentes tiveram que escolher e contar uma história para os colegas. Thyane Antunes, agente de leitura da Biblioteca da Fazenda Rio Grande, escolheu a história do Príncipe Cinderelo. Inusitada e cheia de trejeitos, gestos e pitadas de humor, a contadora agradou a plateia.

Thyane já desenvolve ações de mediação junto ao Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) do município com idosos. “Identificamos a necessidade de trabalhar a medição de leitura e contação de histórias como uma ferramenta tanto de incentivo à leitura, quanto de estímulo à memória e à socialização, explica a agente”.

Agentes de Leitura

O programa Agentes de Leitura capacita profissionais que trabalham com literatura para que levem e multipliquem os conhecimentos adquiridos nas oficinas para os municípios em que trabalham. A formação inclui oficinas de literatura, contação de história, mediação de leitura com profissionais reconhecidos nacionalmente no meio literário.

A meta do programa em 2018 é ampliar o número de pessoas atendidas em comparação à primeira edição, que chegou a cerca de 30 mil pessoas. As atividades são diversas: contação de história, empréstimo de livros, oficinas de criação literária e história em quadrinhos e encontro com escritor.  Nove cidades da Região Metropolitana de Curitiba e Paranaguá participam desta segunda edição do Programa e já receberam mais de 9 mil livros para realizar o trabalho nos locais.

Promovido pela Secretaria de Estado da Cultura e Biblioteca Pública do Paraná, o Agentes de Leitura é uma ação que está inserida nas diretrizes do Plano Estadual do Livro, Leitura e Literatura do Paraná (PELLL). Conta com o apoio da Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social e com o incentivo da empresa Audi do Brasil.