Manifestação em defesa da Amazônia decorreu em centro histórico de Lisboa. Ato contou com a participação da viúva de José Saramago, Pilar del Río. Participantes criticaram Bolsonaro e agronegócio.

Os atos contra queimadas na Amazônia agitaram Portugal mais uma vez. Nesta segunda-feira (26), em Lisboa, a presidente da Fundação José Saramago e viúva do escritor Nobel de Literatura, María del Pilar del Río Sánchez, considerou que as políticas de Jair Bolsonaro são “canalhas”.

“Estou aqui hoje porque sou um ser humano. O Brasil precisa de respeito aos seres humanos e respeito ao planeta. Estamos vendo políticas que desrespeitam, são canalhas e assassinas. A Amazônia é do Brasil, mas é também de outros países da América Latina, e, sobretudo, é do planeta. Todo o planeta precisa da Amazônia e, por isso, temos que ser todos solidários”, declarou Pilar del Río à Sputnik Brasil.

Pilar del Río, viúva de José Saramago em ato contra queimadas na Amazônia em Lisboa, Portugal em 26 de agosto de 2019

O ato levou centenas de pessoas ao Largo Luís de Camões, ponto emblemático do centro histórico da capital portuguesa e palco tradicional para manifestações populares. Entre os participantes estavam outras personalidades do mundo lusófono, como o escritor José Eduardo Agualusa, além de vários políticos.

A deputada Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, cobrou uma manifestação de censura do governo de Portugal. “É em nome do agronegócio que a Amazônia está a ser destruída e não podemos permitir. Por isso, exigimos que o governo português tenha uma palavra de censura para com o governo brasileiro, porque há momentos em que o silêncio é cúmplice e não queremos que Portugal seja cúmplice desta catástrofe mundial”, afirmou a deputada à Sputnik Brasil.

Boicote ao agronegócio

O partido exige o cancelamento da possível visita do presidente Jair Bolsonaro a Portugal no início de 2020. Segundo Joana Mortágua, “não basta lamentar. Sabemos que o desmatamento na Amazônia tem responsáveis. Vamos continuar a acompanhar e não vamos faltar com nenhuma denúncia das atrocidades cometidas por Bolsonaro”.

O protesto foi convocado por 32 organizações, que enviaram à imprensa um comunicado cobrando “um posicionamento do Governo português perante estes crimes contra a humanidade e o planeta” e também exigiram um “boicote de todos os produtos provenientes do agronegócio brasileiro”.

Manifestação com arte

Os participantes protestaram com cartazes, música e outras expressões artísticas. A cozinheira Fernanda Veloso usou um segundo talento, o de artista que trabalha com pernas de pau, para se caracterizar como “Mãe Natureza” e, junto com o “Curupira”, cobrar o fim das queimadas.

“É preciso aproveitar esse tema, que mexe com todas as pessoas, que gera mais empatia e quebra barreiras, para que o povo brasileiro desperte para o mal que o atual presidente tem feito. Espero que esse despertar seja potente e que consigamos trazer um reverso para essa situação”, afirmou Fernanda à Sputnik Brasil.

Este foi o terceiro ato pela Amazônia em apenas quatro dias em locais públicos de Portugal. No último sábado, manifestantes saíram às ruas na cidade do Porto. Já na sexta-feira, uma vigília foi realizada em Lisboa.

 

Sputnik Brasil