A Prefeitura de Curitiba reativou a Usina de Asfalto Engenheiro Gilberto Bueno Coelho, no Abranches. Com isso, o município retoma a produção de massa asfáltica e aumenta a capacidade de recape de ruas. Com a reativação da unidade, o custo com pavimentação será reduzido em 30%.

A reativação foi feita pelo prefeito Rafael Greca em cerimônia com a presença do governador Beto Richa e do secretário municipal de Obras Públicas e Infraestrutura, Eduardo Pimentel. A reativação da usina foi um dos compromissos assumidos pelo prefeito durante a campanha eleitoral.

A previsão para este ano é que a Usina de Asfalto Norte produza 60 mil toneladas de massa asfáltica, o equivalente a 40 quilômetros de pavimento. “Além da economia, a reativação da unidade é uma demonstração do nosso compromisso em melhorar a qualidade do pavimento em Curitiba. Aos poucos, vamos retomar a oferta de serviços públicos ágeis e eficientes”, afirmou o prefeito.

Ele destacou a presença do governador e reforçou a necessidade de se fazer um ajuste fiscal nas contas municipais. “Essa medida será fundamental para a Prefeitura retomar a capacidade de investimento. Se não fizermos, corremos o risco de ficar igual ao Rio de Janeiro, sem pagar os servidores e atrasando contas”, disse Greca.

Com a reativação da produção de asfalto, o prefeito está definindo um conjunto de ruas prioritárias que terão o pavimento revitalizado, de acordo com levantamento feito pelas Administrações Regionais. Entre elas, será feita a troca do pavimento da Rua Mateus Leme.

A Usina Norte foi inaugurada em 2007, na gestão do então prefeito Beto Richa. “É com muita alegria que venho neste importante espaço fortalecer nossa disposição em apoiar a Prefeitura de Curitiba. Já fui prefeito e sei o quão importante para o município será a reativação dessa usina. Na nossa gestão, fizemos mais de dez mil obras em Curitiba”, afirmou o governador. Ele elogiou a decisão do prefeito de fazer um ajuste nas contas municipais.

Economia

Eduardo Pimentel, secretário municipal de Obras Públicas e Infraestrutura, explicou que a reativação da usina gerará economia ao município, resultado da diferença que a cidade pagaria para comprar o pavimento e o custo de sua produção própria. “Com a reativação, conseguiremos reduzir em 30% o custo com pavimentação. Essa economia poderá ser revertida em mais obras para os curitibanos”, afirmou ele.

A reativação da usina faz parte das comemorações dos 324 anos de Curitiba. Além da Usina Norte, Pimentel reforçou o compromisso de ainda neste ano reativar a Usina de Asfalto Sul, que está fechada e sem produção desde agosto de 2012.

Além dos servidores da Secretaria de Obras Públicas e Infraestrutura, participaram do evento o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, e os vereadores Oscalino do Povo, Thiago Ferro, Jairo Marcelino e Sabino Picolo.

Histórico

Desde janeiro, a Usina Norte estava sendo preparada pela nova gestão da Prefeitura para retornar às operações. Agora, numa demonstração do compromisso da nova gestão, estão em execução as atividades de manutenção preventiva e corretiva e a abertura de licitações para aquisição de materiais ligados à produção de CBUQ (materiais pétreos, ligante e combustível).

Na gestão passada, a usina ficou um bom tempo inativa e quando funcionou teve produção bem abaixo da capacidade. De 2013 a 2016, a usina funcionou de forma intermitente, ou seja, eram poucos dias de produção no mês. Durante oito meses, a usina chegou a ficar sem produção. Em dezembro de 2016 a usina chegou a ser acionada por apenas algumas semanas.

A baixa produtividade de 2013 a 2016 se deve sobretudo à redução de custos aplicada nas ações de manutenção pela gestão anterior. A usina não estava em operação porque não há contratos vigentes para fornecimento de materiais.

 Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba