“O fato mais absurdo na escalada de ataques do Ministério Público ao STF é o silêncio da presidente daquela Corte, Cármen Lúcia” escreve Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo; “Não se sabe se por inapetência, pusilanimidade ou alguma estratégia, Cármen assiste calada enquanto seu tribunal é enxovalhado por procuradores”

Brasil 247 – “O fato mais absurdo na escalada de ataques do Ministério Público ao STF é o silêncio da presidente daquela Corte, Cármen Lúcia” escreve Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo. “Não se sabe se por inapetência, pusilanimidade ou alguma estratégia, Cármen assiste calada enquanto seu tribunal é enxovalhado por procuradores”.

“Júlio Marcelo de Oliveira, do TCU, o que delatou as ‘pedaladas fiscais’ é um ativista político com muito tempo para gastar nas redes sociais para sua ‘audiência’ (a que ponto chegamos). ‘A corrupção que comanda o Brasil sobrevive da certeza da impunidade, baseada em três pilares: foro privilegiado, prescrição e visão de mundo de Gilmar, Toffolli, Lewandowski e Marco Aurélio’, escreveu no Twitter. ‘Parecem sofrer quando um corrupto é preso. STF hoje faz parte do problema, não da solução'”, relata o jornalista.

Leia a íntegra no DCM