Foto: Lucilia Guimarães/SMCS

A Prefeitura de Curitiba iniciou nesta terça-feira uma nova fase da recuperação do pavimento das canaletas de transporte coletivo. As altas temperaturas registradas nas últimas semanas, com máximas acima dos 30ºC, diminuíram a rigidez da camada de asfalto e nas imediações das estações-tudo, onde os ônibus têm que frear e parar para a entrada e saída de passageiros, vincos foram abertos causando desconforto para as pessoas que utilizam os coletivos. 

Os serviços começaram a ser executados na estação-tubo Carlos Dietzsch, sentido Portão, na Avenida República Argentina. Em dois dias os trabalhos serão concluídos e, ainda nesta semana, será feito o conserto do pavimento nas proximidades da estação-tubo Vital Brasil, também na Avenida República Argentina. “A Prefeitura realiza um trabalho constante de manutenção nas canaletas e o último serviço havia sido feito há 180 dias. O calor intenso no mês de janeiro, com dias registrando temperaturas perto dos 35ºC, apressou esta nova fase de obras. Logo o pavimento estará totalmente recuperado”, disse o engenheiro civil João Carlos Vidal Filho, superintendente de Manutenção Urbana da Secretaria do Governo Municipal.

De acordo com o engenheiro, durante as próximas três semanas, seguindo pelas avenidas Sete de Setembro (na altura da Praça Eufrásio Correia), República Argentina e Winston Churchill, os pontos com pavimento danificado serão recuperados por meio do processo de fresagem (retirada da camada danificada), limpeza e recolocação de uma nova capa de asfáltica. “Os ônibus pesam 41 toneladas e têm a capacidade de transportar 250 passageiros. São veículos pesados, que freiam e aceleram com intensidade justamente nesses pontos próximos às estações-tudo. É normal que piso sofra desgaste, se deforme, e tenha que passar por reparos”, explicou Vidal Filho.

Estudos 

O superintendente de manutenção urbana da Secretaria Municipal de Governo apontou que o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e a Urbanização de Curitiba S.A. (Urbs) estão desenvolvendo estudos para realizar o desalinhamento das estações-tubo e a substituição do material que compõe o pavimento dos pontos de parada do transporte coletivo. “A utilização de outro tipo de material deve garantir maior resistência e diminuir a necessidade de frequente manutenção do pavimento. As pesquisas estão sendo feitas”, disse Vidal Filho.