Dois dos 46 policiais presos pela Operação Quaro Elemento, que investiga uma suposta quadrilha de policiais especializada em extorsões; participavam das agendas de campanha do candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro, Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL); irmãos Alex e Alan Rodrigues de Oliveira, que são PMs, atuavam como seguranças da campanha do candidato; com o mote de campanha centrado no combate à criminalidade, candidatura de Flávio Bolsonaro passa a ser um constrangimento para o partido

Rio 247 – A Operação Quarto Elemento, que investiga uma suposta quadrilha de policias especializada em extorsões, prendeu, na semana passada, dois policiais militares que participavam das agendas de campanha do deputado estadual e candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro pelo PSL, Flávio Bolsonaro, que é filho do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Os irmãos Alex e Alan Rodrigues de Oliveira, que são policiais militares, foram presos junto com outros 44 suspeitos de integrarem a quadrilha.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Alex e Alan marcaram presença nos eventos de campanha de Flávio Bolsonaro ao longo das últimas semanas na Zona Oeste da capital fluminense. Eles trabalharam como seguranças da equipe de campanha. Os irmãos se integraram à equipe por intermédio de Valdenice de Oliveira Meliga, tesoureira do PSL no Rio e irmã dos policiais. Valdenice está loteada no gabinete de Flávio Bolsonaro.

Nesta semana, o candidato, que assim como seu pai centra o mote de sua campanha no combate rigoroso à criminalidade, negou que eles fizessem parte da equipe de campanha. Valdenice, porém, confirmou que Alan e Alex trabalhavam como voluntários.