Ele e um segurança do supermercado foram detidos e devem responder por homicídio qualificado. Uma terceira pessoa também é investigada

Revista Forum – Por Luisa Fragão

Um dos assassinos de João Alberto Silveira Freitas, homem negro de 40 anos que morreu espancado em uma loja do Carrefour em Porto Alegre, na noite desta quinta-feira (19), é um policial militar temporário. A identidade dele ainda não foi revelada.

Segundo informações preliminares, o homem seria funcionário de uma empresa de segurança terceirizada e estava trabalhando no local. Contudo, de acordo com o delegado Leandro Bodoia, testemunhas afirmam que o PM estava na loja como cliente.

Além do PM, um segurança do Carrefour também foi detido em flagrante e levado a um prédio da Polícia Civil. Ainda, de acordo com o Gaúcha ZH, há uma terceira pessoa cujo envolvimento deve ser investigado. Os homens detidos devem responder por homicídio qualificado.

Não é nos Estados Unidos, é no Brasil. 

O vídeo da agressão passou a circular nas redes sociais no final da noite desta quinta. Imagens mostram dois homens com roupas pretas dando socos no rosto da vítima, que já está no chão e grita de dor. Uma mulher que estava próxima deles parece filmar a ação dos agressores.

Segundo informações do UOL, a vítima teria sido conduzida pelo segurança até o estacionamento, no andar inferior, após ter discutido com uma funcionária da loja.

Funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foram até o local e fizeram massagem cardíaca, mas a vítima acabou não resistindo.