A Polícia Federal (PF) obteve novas provas na investigação sigilosa da suposta atuação ilícita do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) em favor da J&F, que controla a JBS . A principal é o depoimento de um ex-secretário adjunto do governo de Antonio Anastasia (PSDB), que contou ter recebido pressão para resolver demandas da JBS na gestão estadual no ano de 2014, informa o jornalista Aguirre Talento

Brasil 247 Flagrado negociando propinas com o empresário Joesley Batista, da JBS, em 2016, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) pode se complicar ainda mais, segundo aponta reportagem do jornalista Aguirre Talento, no Globo. “A Polícia Federal (PF) obteve novas provas na investigação sigilosa da suposta atuação ilícita do deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) em favor da J&F, que controla a JBS . A principal é o depoimento de um ex-secretário adjunto do governo de Antonio Anastasia (PSDB), que contou ter recebido pressão para resolver demandas da JBS na gestão estadual no ano de 2014”, aponta o jornalista.

Para a PF, o relato de Pedro Meneguetti, que foi o número dois da Receita estadual, corrobora a delação premiada dos executivos do grupo, que relataram terem obtido a promessa de Aécio Neves de interferir junto ao governo estadual em troca do repasse de R$ 110 milhões para sua campanha presidencial naquele ano, que incluía valores para a compra do apoio de partidos.

Leia a íntegra na reportagem de Aguirre Talento.