O correspondente internacional Pepe Escobar afirmou nesta segunda-feira, 3, que o incêndio que destruiu 200 anos de história do Museu Nacional é uma “metáfora cruel” de uma tragédia maior; “O Museu Nacional queimou como resultado direto da atual austeridade estrutural imposta pela – quadrilha ilegal que assumiu o poder no golpe institucional-Político-Judiciário-Judiciário, a variante mais sofisticada ainda da guerra híbrida implantada em todo o sul do mundo”, diz ele; “A queima de pedaços vitais da memória coletiva brasileira histórica é uma metáfora trágica para a queima lenta de toda uma nação”

Brasil 247 O jornalista e correspondente Pepe Escobar criticou nesta segunda-feira, 3, os responsáveis pela tragédia que destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, durante incêndio nesse domingo, 2.

“O Museu Nacional queimou como resultado direto da atual austeridade estrutural imposta pela – quadrilha ilegal que assumiu o poder no golpe institucional-Político-Judiciário-Judiciário, a variante mais sofisticada ainda de guerra híbrida implantada em todo o sul do mundo”, disse Escobar em seu Facebook.

“Uma das primeiras medidas desta humilde quadrilha neoliberal uma vez no poder foi uma emenda constitucional congelando as despesas públicas por 20 anos. A queima de pedaços vitais da memória coletiva brasileira histórica é uma metáfora trágica para a queima lenta de toda uma nação. Está na hora de transmutar imensa tristeza em raiva. Raiva, raiva dura – e atirar os malandros para fora”, disse ele.