O deputado Romanelli disse nesta terça-feira, 23, que o modelo perverso do pedágio no Paraná “está erodindo”. “É um modelo que se esgotou e que agora busca sobrevivência através de acordos de leniência com o Ministério Público Federal. Vamos estudar esses acordos que agora, enfim, estão sendo divulgados”, disse Romanelli.
“Ainda cobramos a transparência nos acordos, mas destaco a importância da redução das tarifas cobradas e continuo cobrando que a execução das obras, como a duplicação da BR-376, sejam retomadas”, completa Romanelli.
Ainda nesta terça-feira, a Rodonorte comunicou que vai reduzir em 30% as tarifas cobradas nas praças de pedágio na BR-376 e na PR-151. A decisão faz parte do acordo firmado com o MPF e que ainda prevê uma multa de R$ 750 milhões.
 
Tarifa menor – A redução da tarifa começa valer a partir da zero hora do sábado, 27, e deve durar por pelo menos 12 meses. Na BR-376, na ligação de Curitiba a Londrina, o valor praticado atualmente para carros varia entre R$ 11,60 e R$ 12,40 por praça de pedágio. Com a redução, os preços devem ficar entre R$ 8,12 e R$ 8,70.
Em outra decisão, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região determinou a redução das tarifas cobradas pelas concessionárias Caminhos do Paraná em 25,77% e da Viapar em 19,02%. Os percentuais correspondem a aditivos que, de acordo com o MPF, foram obtidos mediante pagamento de propinas a agentes públicos. O assunto está sendo investigado no âmbito da Operação Lava Jato.

“O Paraná e o Brasil tem uma dívida imensa com a operação Lava-Jato pelos resultados no combate à corrupção, mas é importante ressaltar que não podemos ser apenas expectadores destes acordos de leniência, pois eles dizem respeito ao que aspiramos para o crescimento de nossa economia e a modernização da infraestrutura paranaense”, argumenta Romanelli.