O Mutirão Paranaense de Cirurgias está avançando para zerar a fila de espera por procedimentos de catarata em Foz do Iguaçu e toda a região. Com um aporte extra de recursos do Estado, já foram feitas mais de seis mil cirurgias desde o ano passado. O secretário de Saúde, Michele Caputo Neto, afirmou nesta quinta-feira, 10, que a previsão é acabar com a demanda reprimida do SUS ainda no primeiro semestre do ano que vem. “Estima-se que mais de 12 mil pessoas aguardavam por uma cirurgia de catarata na região quando o mutirão foi iniciado. Grande parte necessitava realizar o procedimento em ambos os olhos”, disse ele Caputo Neto.

 
Segundo Caputo Neto, o mutirão surgiu da necessidade de apoiar os municípios no atendimento na área de especialidades, que é hoje um dos maiores gargalos da saúde pública. O projeto beneficia pacientes que têm a qualidade de vida comprometida por conta de problemas que muitas vezes não tem tratamento alternativo. “Sem a cirurgia, a catarata tende a se agravar cada vez mais, levando até à cegueira completa. Trata-se de uma doença que afeta mais os idosos, mas está sujeita a aparecer em qualquer faixa etária”, explica.

Ainda em Foz do Iguaçu, Caputo Neto também se reuniu com a 9ª Regional de Saúde para tratar sobre a ampliação do mutirão para atender também outras especialidades. A ideia é ofertar cirurgias nas áreas de varizes, urologia, vascular, otorrinolaringologia e cirurgia geral. Para isso, será feito um edital de chamamento público para selecionar os serviços de saúde que farão as cirurgias. A expectativa é que todo o processo seja formalizado no próximo mês, possibilitando a ampliação da oferta de procedimentos o mais breve possível.