Por Mauro Lopes, no Caminho Pra Casa – A mãe de Marielle Franco, Marinete da Silva, falou aos presentes à missa de sétimo dia celebrada ontem (20) na Igreja Nossa Senhora do Parto, no centro do Rio – a missa foi transferida da Maré para que todos pudessem em seguida participar do ato/culto ecumênico na Cinelândia. Ao final da celebração, o sacerdote convidou a família a se pronunciar, caso desejasse. Dona Marinete agradeceu o carinho recebido e informou então que o Papa Francisco havia telefonado.

A família de Marielle é católica. Sua mãe é devota de Nossa Senhora Aparecida e foi ministra da Eucaristia na Maré. A última foto que Anielle recebeu de sua irmã, ainda viva, horas antes do assassinato, foi das duas diante de um altar em uma igreja no Rio. Marielle foi catequista e ativa participante da Pastoral da Juventude ainda adolescente. Depois, afastou-se da Igreja Católica que vive, no Rio, um clima quase irrespirável de conservadorismo e censuras e condenações e falso rigorismo moral.

Marielle foi mãe aos 19 anos, sem ser casada. Mais tarde, casou-se –com uma mulher. O suficiente para que fosse discriminada e tivesse os dedos apontados contra si no ambiente católico carioca. Francisco disse em 2015 que “não existe mãe solteira, pois mãe não é um estado civil”; um ano depois, conversando com jornalistas na viagem de avião do Rio a Roma, o Papa afirmou: “se uma pessoa é gay, procura ao Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la? e uma pessoa é gay, procura ao Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?” A visão do Papa não demoveu nem comoveu os padres, leigos e leigas integristas que pululam à volta do arcebispo do Rio, o cardeal Orani Tempesta, que continuam a atuar como “réguas do mundo”. Livre, Marielle afastou-se da Igreja e aproximou-se cada vez mais das religiões de matriz afro-brasileira.

A Arquidiocese do Rio de Janeiro não teve qualquer participação no telefonema do Papa. Dom Orani Tempesta manteve-se à distância da família, soltou uma nota e uma mensagem frias, quase de condenação a Marielle por suas posturas políticas libertárias, e o clero ao seu redor iniciou uma campanha de ataques à memória da vereadora, com todo tipo de difamação. A CNBB igualmente não teve participação no telefonema –a entidade dos bispos brasileiros sequer pronunciou-se sobre o assassinato que comoveu e provocou mobilização em todo o país e no Exterior.

O caminho do telefonema deu-se por uma ponte entre a família da Marielle e a Argentina, envolvendo Luyara, sua filha. Ela escreveu uma carta ao Papa dois dias depois da morte da mãe, que chegou rapidamente a Francisco por iniciativa do professor argentino Gustavo Vera, amigo pessoal do Papa e presidente da Fundación Alameda, dedicada ao combate ao tráfico de pessoas. Participou da articulação Lucas Schaerer, do Partido del Bien Común e assessor de comunicação da fundação. “Estamos muito felizes por este gesto de amor do Papa”, disse ele a Caminho Pra Casa na noite de ontem (20).

O episódio confirma pela mais uma vez Francisco como o grande líder-compaixão do planeta neste início de século 21. É também uma triste ilustração da situação da Igreja no Brasil. O caminho mais curto entre o povo brasileiro e seu amado Papa não é a hierarquia local –passa por Buenos Aires.]