Há uma semana o ex-senador Osmar Dias visitou amigos em Mandaguari, entre eles o vice-prefeito Ari Stroher (MDB), e disse ao Correio de Notícias que pretende reestruturar o PDT em todo o Paraná. As informações são de Angelo Rigon no Maringá Post.

“Essa é a nossa missão. Conversar com as pessoas ligadas ao diversos setores da comunidade. Nosso partido terá mais força na próxima eleição”, afirmou, para espanto de correligionários de partido e dos que o apoiaram até a renúncia à candidatura ao governo do estado. Se não tivesse desistido (ou “abandonado os companheiros”), dificilmente deixaria de ser o governador.


A frase de Osmar Dias, apontado como individualista, “causou” entre os que lhe apoiaram, que hoje apostam: vai ser difícil o ex-senador encontrar quem acredite nele e o acompanhe na tal “reestruturação”.

Por falar no PDT, Osmar Dias não faz parte da executiva regional do partido. Desde agosto do ano passado, a executiva, de 13 membros, é presidida por André Roberto Menegotto e tem quatro vice-presidentes (Nelton Friedrich, Marly Paulino Fagundes, Gustavo Fruet e Assis Miguel dos Couto).