O resultado da Operação Carne, deflagrada nesta sexta-feira 17 contra gigantes do setor de carnes no Brasil, pode afetar seriamente a imagem do Brasil no exterior levar à criação de barreiras fitossanitárias e prejudicar as exportações de carne brasileiras.

As suspeitas são de que gigantes do setor pagaram propina a fiscais do Ministério da Agricultura para liberação de licenças e fiscalização irregular de frigoríficos. Elas também teriam adulterado produtos. Parte da propina teria sido repassada para partidos políticos como o PP e o PMDB, segundo o delegado federal Maurício Moscardi Grill.


O Brasil é o maior exportador de carne bovina e de frango do mundo, e ocupa o quarto lugar na venda de suínos para outros países. Em 2016, os três segmentos, juntos, responderam por 6,9% das exportações – R$ 11,6 bilhões.

Plantão Brasil

Carne vencida, armazenada em temperaturas inadequadas, sem inspeção e com uso de produtos cancerígenos ou em excesso com objetivo de ocultar as características que deveriam impedir o consumo. Essa é a conclusão a que chegou a investigação de quase dois anos da Polícia Federal, que levou à realização da maior operação da história da corporação nesta sexta-feira, batizada de Carne Fraca.

Na mira da PF, estão gigantes do setor de carnes no país, como a BRF Brasil, dona das marcas Sadia e Perdigão, e a JBS, dona da Friboi, Seara e Swift, entre outras marcas, além de frigoríficos menores. Na conclusão do juiz federal Marcos Josegrei da Silva, todas as empresas investigadas cometeram ao menos uma das irregularidades apontadas acima. “Parece realismo mágico. Infelizmente, não é”, escreveu o magistrado.

No frigorífico Peccin, do Paraná, por exemplo, a investigação atestou, entre diversas irregularidades, a utilização de quantidades de carne muito menor do que a necessária na produção de seus produtos, que eram complementados com outras substâncias, e a utilização de carnes estragadas na composição de salsichas e linguiças. Conforme o juiz, a “maquiagem” dos alimentos podres era feita com ácido ascórbico, substância cancerígena cujo efeito é a melhora da cor e o aspecto de alimentos impróprios.