Nos últimos dias todos os meios de comunicação divulgaram cenas e depoimentos de familiares das vítimas da tragédia no Centro de Treinamento do Flamengo, o Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro, que provocou a morte de 10 garotos e ferimentos em 3 após incêndio no alojamento.

A tragédia no CT do Flamengo acendeu a luz vermelha e descobriram que na grande maioria dos clubes brasileiros a situação é igual – ou pior – que a encontrada no Flamengo.

Neste domingo o programa Fantástico revelou ao mundo um clube que respeita as crianças e seus atletas, oferecendo instalações dignas e seguras, conforto, saúde e educação: o Clube Athletico Paranaense. E graças a essa reportagem o domingo dos brasileiros foi melhor, porque conheceram um clube que serve de exemplo a todos os demais clubes brasileiros. E neste sentido o Athletico é sim, muito maior que o Flamengo, e maior até que a maioria dos clubes brasileiros.

O CT do Caju – Centro Administrativo e de Treinamentos Alfredo Gottardi oferece aos seus garotos e atletas uma equipe técnica de profissionais altamente gabaritados, e um processo de formação integral, através de biblioteca, salas de estudos e de conferências, além do apoio da equipe médica e odontológica. Transporte escolar, curso de inglês, acompanhamento psicológico etc.

O nome CT do “Caju” como é mais conhecido, é uma homenagem ao maior jogador do Clube Athlético Paranaense de todos os tempos: Alfredo Gottardi, de família de grandes atleticanos moradores do bairro Água Verde. “Caju” defendeu o Atlético por mais de uma década e esse foi seu único clube, à exceção das Seleções Paranaense e Brasileira. Era conhecido como a “Majestade do Arco”.

Caso a maioria dos clubes de futebol do país decidam seguir o exemplo do Athletico Paranaense o futebol brasileiro deixará de ser essa vergonha nacional e internacional, patrocinada pela incompetência da CBF.

 

José Gil