Fernando Brito – Tijolaço

Chega a dar vergonha do nosso “jornalismo investigativo”.

Sites e emissoras de rádio e TV, quase que sem exceção, anunciam que foi arrematado o apartamento “atribuído” a Lula.

Covardes, não têm coragem de afirmar aquilo que fizeram convencer o povo, que o apartamento é de Lula.

Bem, mas o tal “atribuído” teve a visita de 60 mil pessoas na internet, enquanto estava sendo leiloado.

Nenhum lance, considerando-se que o primeiro, feito hoje, horas antes do final do prazo, foi dado por engano, por um cidadão de Piracicaba, que errou ao apertar alguma tecla e “ofereceu”, sem querer, os R$ 2,2 milhões pedidos como lance mínimo.

Pedido muito acima do valor de mercado e mais ainda para imóvel que vai a leilão judicial, que costuma atrair muita gente exatamentep orque se oferecem preços baixos, não altos.

Minutos antes do prazo fatal, uma tal Guarujapar, empresa de Brasília que, em buscas na internet não se pode encontrar, nem ao seu CNPJ, ofereceu o lance mínimo, para que o leilão não se frustrasse.

Ora, se o apartamento estava no preço de mercado e ainda tinha o “aditivo” de ser “atribuído” a Lula, porque não houve interessados, senão este, enviado à última hora por algum “espírito santo de orelha”?

Quem vai se aventurar a saber quem é a tal “Guarujapar”?

…………………………………………………………………………………………..

HOMEM QUE COMPROU TRIPLEX ATRIBUÍDO A LULA É SÓCIO DE PRIMO DE ALCKMIN

Plantão Brasil – O leilão do triplex do Guarujá ia acabar num mico até que, a 5 minutos do final, o empresário mineiro Fernando Costa Gontijo fez um lance de 2,2 milhões de reais.

Levou.

Ao Globo, ele afirmou que, pela sua experiência, há casos em que a chamada “segunda praça” vende o imóvel por um preço maior do que na primeira tentativa por atrair mais interessados.

Gontijo alega que a vista para o mar o levou a adquirir a propriedade. “Achei que era um bom investimento”, falou.

Ele criou uma empresa especificamente para essa operação, a Guarujá Participação, registrada no dia 29 de março.

Conta a reportagem:

O pai de Gontijo era primo do magnata da construção civil de Brasília, José Celso Gontijo, dono da construtora JC Gontijo. O novo dono do tríplex também diz ter sido executivo da Via Engenharia até 2001, quando deixou a empresa. Ambas as empresas foram investigadas no escândalo que ficou conhecido como Mensalão do DF, que envolveu o ex-governador José Roberto Arruda. Porém, Gontijo diz que é apolítico.

Fernando Costa Gontijo é dono de doze empresas: onze em Brasília e uma em São Paulo.

O capital social é de 9,5 milhões de reais.

Foi condenado numa ação de improbidade administrativa do ex-prefeito de João Pessoa Cícero Lucena.

O Ministério Público Federal apontou irregularidades em diversos convênios e contratos de repasse para a execução de obras públicas.

O que o Globo sonegou, por razões ainda obscuras, é que ele é sócio de José Augusto Rangel de Alckmin na La Paia Empreendimentos Imobiliários.

José Augusto é advogado do PSDB e primo do célebre Geraldo, candidato a presidente da República.

Discreto, não aparece em fotos nem de festa de aniversário.

Os dois, José Augusto e Fernando Gontijo, responderam a um processo trabalhista.

O escritório que mantém com o irmão José Eduardo, este sim mais midiático, é bastante conhecido na capital federal.

Quem trabalha lá é Pedro Júnior Rosalino Braule Pinto, o “Doutor Pedrinho”, que atua na defesa de Aécio Neves.