Denúncias de violência e discriminação contra comunidades indígenas do Noroeste do estado estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal (MPF). O órgão instaurou procedimento após reunião com representantes das comunidades Avá-Guarani que vivem nos municípios de Terra Roxa e Guaíra. O encontro foi realizado na última terça-feira (8), na sede da Procuradoria da República de Umuarama.

De acordo com a denúncia, moradores das duas cidades e autoridades locais estão negando reconhecimento de direitos fundamentais básicos. Além disso, proprietários rurais e outros moradores da região estariam cometendo atos violentos contra os índios. As agressões teriam aumentado no fim do ano passado, depois da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que suspendeu procedimento de demarcação de terras em que as comunidades estão localizadas.

Antes dessa suspensão, a Justiça Federal havia determinado que a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a União finalizassem a delimitação de terras indígenas em Guaíra e Terra Roxa até o dia 31 de dezembro de 2018. A decisão foi uma resposta à Ação Civil Pública ajuizada pelo MPF em 2012, cobrando os processos de identificação e delimitação das áreas de ocupação tradicional indígena.