Brasil 247 O deputado federal Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, criticou a postura do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) em relação ao amigo e ex-assessor da família Bolsonaro, Fabrício Queiroz. Acusado de ter movimentação financeira atípica, Queiroz faltou em duas datas marcadas pelo MPRJ para prestar depoimento, alegando problemas de saúde. Isso não impediu, entretanto, que o ex-assessor desse entrevista exclusiva ao SBT sobre as acusações. 

Pimenta diz que a declaração do MP é ‘ridícula’ e parece ter sido dada por um advogado de defesa, e não por um órgão que deveria investigar com isonomia. O Ministério Público divulgou nota onde diz que a justificativa de Queiroz para adiar o depoimento para depois de uma suposta cirurgia que faria seria aceitável.

“Se Queiroz pode dar uma entrevista para o SBT, porque não pode dar um depoimento para o MP? Se tem condições de falar com a imprensa, tem condições de prestar depoimento antes da cirurgia”, disse o deputado.

“Tudo isso é ridículo, é um jogo de cena, é inaceitável a covardia do MP no caro Queiroz”, finalizou Pimenta.

Fabrício Queiroz é acusado de ter movimentado R$ 1,2 milhão em sua conta bancária entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, enquanto era assessor do agora senador eleito Flávio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O Coaf identificou essas movimentações como “atípicas”, como uma no valor de R$ 24 mil na conta da futura primeira-dama Michelle Bolsonaro.