Brasil 247 – Questionado sobre membro da equipe de transição do governo Bolsonaro Julian Lemos (PSL), amigo de Bolsonaro acusado de violência doméstica, o general Mourão, futuro vice-presidente, afirmou que o integrante da equipe não irá participar do governo. Lemos, que coordenou a campanha de Bolsonaro no nordeste também tem uma condenação por estelionato. 

A reportagem do jornal O Globo detalha a fala do general: “questionado pela imprensa sobre o assunto, Mourão – que foi ao Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), onde funciona o gabinete de transição discutir o formato de sua futura equipe – afirmou que as acusações não causam constrangimento ao novo governo, mas que Julian Lemos foi eleito deputado federal e participará apenas da transição – ele é vice-presidente nacional do partido e presidente do diretório paraibano da legenda”.

E relata as acusações que pesam contra Lemos: “na ficha de Lemos, que coordenou a campanha de Bolsonaro no Nordeste, consta uma condenação por estelionato em primeira instância em 2011, que prescreveu antes de novo julgamento, e três processos por violência doméstica entre os anos de 2013 e 2016”.