Plantão Brasil – O quadro médico de Jair Bolsonaro piorou consideravelmente e enseja cuidados, dizem médicos do Hospital Israelita Albert Einstein. A detecção da pneumonia, confirmada nesta quinta (7), integra um quadro de complicação da situação clínica. O novo diagnóstico se sobrepõe a outros imprevistos. O mais preocupante, no entanto, é a própria falta de clareza dos médicos com relação ao estado do presidente. Eles dizem – segundo o jornal Folha de S. Paulo – que ’não dá para apontar com precisão o que estaria acontecendo de fato’.

A reportagem ainda destaca que “a detecção da pneumonia prolongará ainda mais a internação do presidente, por no mínimo mais sete dias, devido ao aumento de antibióticos, conforme disse à Folha Antonio Luiz Macedo, cirurgião que é um dos responsáveis por cuidar da saúde do presidente da República.”

A matéria ainda acrescenta: “inicialmente, a equipe responsável pela operação estimava alta após dez dias, completados na quarta. Agora, na hipótese mais otimista, ele completará 18 dias de hospital. Várias hipóteses poderiam explicar o surgimento da pneumonia. O fato de estar com o intestino parado e o estômago com acúmulo de líquido pode ter levado a microaspirações do conteúdo gástrico, que foi direto para o pulmão, causando a infecção.”

A gravidade do quadro ainda pode ser explicada da seguinte maneira: “outra possibilidade é a chamada pneumonia por contiguidade, ou seja, relacionada ao abscesso que ele teve diagnosticado no sábado (2). Se o foco infeccioso estiver na parte superior do abdome, perto ao diafragma, por proximidade pode afetar o pulmão.”