Alertado por tripulantes, capitão se recusou a abrir uma investigação formal e acabou afastado pela Marinha norte-americana

Opera Mundi – Tripulantes homens do submarino USS Florida da Marinha dos Estados Unidos elaboraram um ranking sexual que classificava as militares mulheres, companheiras de tripulação, pelo grau de “atratividade”, especificando os atos sexuais que desejavam realizar com elas, informou o site Military.com.

Em matéria publicada na última sexta-feira (17/05), o portal afirma que teve acesso a um documento de 74 páginas da investigação indicando que uma lista com os nomes de todas as mulheres a bordo do submarino era atualizada semanalmente e continha a descrição física das tripulantes e uma classificação por estrelas, além de “vários atos sexuais que os criadores da lista desejavam realizar”.

Segundo as investigações, a existência da lista foi descoberta por um marinheiro do submarino em junho de 2018, que imediatamente imprimiu o papel e o entregou a uma das suboficiais da embarcação.

Após fotografar a lista, a oficial entregou o papel para um de seus superiores que levou o caso para o encarregado por abusos sexuais, enquanto o responsável pelo USS Florida, capitão Gregory Kercher, se recusou a abrir uma investigação formal pois, segundo ele, os tripulantes tinham “apenas um pedaço de papel”. O capitão foi dispensado da Marinha dos EUA em agosto de 2018 por “quebra de confiança em sua capacidade de liderar”.

A investigação aponta que os superiores responsáveis pela tripulação do submarino tomaram conhecimento da lista e “toleraram comentários e piadas obscenas e sexistas”. Além disso, ao serem procurados por uma das tripulantes que estava preocupada com sua integridade física, comandantes teriam dito para ela “engolir a situação e não fazer drama”.

Em 2016, o USS Florida se tornou o segundo submarino da Marinha norte-americana a admitir mulheres na tripulação. De 173 membros a bordo, 32 eram mulheres, incluindo duas suboficiais. De acordo com o documento, quando questionadas sobre a lista, as tripulantes da embarcação demonstravam “medo, raiva e nojo”.

Ainda segundo as investigações, Kercher não comunicou seus superiores em terra firme sobre o que estava sendo feito para encontrar e punir os autores da lista.

De acordo com o documento, dois tripulantes homens do submarino foram desligados da Marinha, enquanto um número indeterminado recebeu sanções administrativas.

O comandante das forças submarinas dos EUA, vice-almirante Chas Richard, disse ao Military.com que o episódio ocorrido no USS Florida é “um evento isolado”, embora ele não possa “garantir que um incidente como esse nunca aconteça de novo”.

“Eu posso garantir que nós iremos continuar a reforçar nossos padrões de conduta e caráter na Força. Eu espero que todo tripulante de submarino trate o próximo com dignidade e respeito”, disse Richard.