POR ELEONORA DE LUCENA E RODOLFO LUCENA – Tutaméia

“A Petrobras vem sendo depenada. Hoje já é apenas uma pequena produtora de óleo bruto”, diz Pedro Celestino, presidente do Clube de Engenharia do Rio de Janeiro. Indignado, proclama também: “O BNDES está sendo destruído. Quem financiará o desenvolvimento industrial brasileiro?”

Em entrevista ao TUTAMÉIA no final da tarde da primeira terça-feira de fevereiro, Celestino afirmou que o governo Bolsonaro realiza uma “destruição sistemática de todas as conquistas econômicas e sociais que tivemos ao longo das últimas nove décadas” (assista à integra no vídeo acima).

“A continuar esse curso, voltaremos à condição de Brasil colônia”, afirma, o que ameaça o futuro das empresas brasileiras. Que, no entanto, parecem não se dar conta disso: “Há um silêncio estrondoso da indústria”, lamenta o engenheiro.

E aponta: “Defender a Petrobras, para a indústria brasileira, não é uma questão de ideologia, é uma questão de sobrevivência”.

Na entrevista, Pedro Celestino comentou também a situação dos engenheiros nos dias de hoje, o ensino da engenharia no país, e as perspectivas da oposição –que vê um tanto desorientada.

Alerta que “não se mantém a paz social sem uma nova proposta de desenvolvimento” e fala sobre os riscos para o país da conjuminância de tráfico, milícias e fundamentalismo religioso, que pode ameaçar a própria integridade da nação.