Na pesquisa espontânea, 59,07% dos eleitores afirmaram que não sabem ainda em que votar para governo do Estado na eleição deste domingo, 7

Pesquisa do Instituto Arbeit divulgada nesta sexta-feira, 5, pelo jornal Correio Paranaense aponta um provável segundo turno na disputa do Governo do Paraná. A diferença entre o candidato que está na liderança – Ratinho Junior (PSD) com 41,93% – e seus adversários é de 0,53%. Além disso, 7,8% dos eleitores se declararam indecisos e a margem de erro é 2,5%. A eleição será neste domingo, 7, e o segundo turno, se confirmado, sera no dia 28 de outubro.

No levantamento, a governadora Cida Borghetti (PP), candidata à reeleição, está em segundo lugar com 19,13% das intenções de voto. O candidato do MDB, João Arruda, também mostrou crescimento e foi para 11,40%. O ex-deputado Dr. Rosinha (PT) chegou aos 6,73%.

Fecham a lista, o advogado Ogier Buchi (PSL) com 2%, Professor Piva (Psol), 0,93%; Jorge Bernardi (Rede) 0,47%; Geonísio Marinho (PRTB), 0,47%; e Professor Ivan Bernardo (PSTU), 0,27%. Dos entrevistados, 5,53% declararam que irão votar nulo ou em branco e ainda outros 3,33% não souberam opinar.

O instituto entrevistou 1,5 mil eleitores entre os dias 29 de setembro e 2 de outubro. A margem de erro é de 2,5% e o intervalo de confiança, de 95%. A pesquisa, contratada pelo Instituto Arbeit, está registrada no TSE sob o número PR-05419/2018 e liberada para divulgação no dia 4 de outubro.

Espontânea – Mesmo na antevéspera da votação, o número de eleitores que não tem uma resposta espontânea quando é perguntado em quem votará para o governo do Paraná é excessivamente alto. Quando não é apresentada uma lista de candidatos, os entrevistados quem não sabem somam 59,07%.

Ratinho Júnior é o candidato que obtém o maior número de respostas espontâneas, 17,73%. Cida Borghetti obteve 8,73% das respostas, João Arruda 6,47% e Dr. Rosinha 3,07%. Alguns eleitores, 0,7% ainda afirmam que votarão em Roberto Requião (MDB) que disputa o Senado e não o governo do Estado.

Ao mesmo tempo, 62,35% dos eleitores respondem que a escolha é definitiva, ou seja, que não devem mudar de ideia até domingo. Dos entrevistados, 31,93 admitem que ainda podem trocar o voto, neste curto período.