Lott em inauguração de Colégio Militar em BH / Wikimedia Commons

Esse importante marechal do Exército defendeu JK, iniciou campanhas políticas e até concorreu à presidência

ANDRÉ NOGUEIRA – AH

Nascido em Minas Gerais em 1894, Henrique Batista Duffles Teixeira Lott foi um dos mais importantes militares da história recente brasileira, porém é também um dos menos conhecidos entre os grandes nomes. Integrou às Forças Armadas em 1905, quando entrou aos 11 anos no Colégio Militar no Rio de Janeiro.

Em 1944, após anos de formação militar em diversas instituições, passou a ser a general-de-brigada e, logo depois, comandante da Infantaria Divisionária local (ID/3). Em 1945, tem sua primeira participação, mesmo que passiva, em um evento político, pois consentiu, estando em posição de autoridade, a campanha do exército de destituição do ditador Getúlio Vargas, logo após o fim da Segunda Guerra.

Lott vai sendo promovido por sua destacada disciplina e mérito admirável. O militar consolidou sua imagem como agente metódico e calculista, respeitoso, legalista e obediente às hierarquias e à normalidade da instituição democrática, fazendo a defesa de qualquer governo constituído. Em 1954, com o suicídio do presidente Vargas e a posse do vice Café Filho e em função da completa intolerância à indisciplina militar do novo presidente, Lott é indicado como Ministro da Guerra do país.

Quando Carlos Luz assume a presidência interina e permite a anistia de um general que, na situação do enterro de um importante policial, discursou de um modo a questionar a instituição democrática e a legimidade presidencial. Lott, indignado com a situação, pede demissão do ministério. Esse evento, somado à posição de Carlos Luz, que sugeria a possibilidade de não passar a faixa presidencial ao recém eleito Juscelino Kubitschek no fim do ano,  gerou um clima de tensão entre as forças armadas. Lott se coloca a disposição de forçar o Congresso no caso de uma tentativa de golpe, angariando correligionários numa oposição ao ministério de Luz.

Com os preparativos da posse de JK e Jango, a situação geral da política ficou bastante tensa. Em 11 de novembro de 1955, Lott mobiliza a campanha pelo “retorno ao quadro constitucional vigente”, em referência às condições previstas na Constituição de 1946, em que assumem o presidente e o vice que foram eleitos no ano anterior. O movimento encontra conciliação com o impedimento do mandato do presidente interino Carlos Luz e passagem para Nereu Ramos. Lott mobiliza tropas e civis na rua pela posse de JK, o que dá certo.

Pela mobilização, JK confia o cargo no Ministério da Guerra para o militar. Lott será homenageado pelo feito. Sua gestão ficou marcada pela busca da administração organizada e tranquila, numa campanha que tentava realizar sua impressão sobre as forças do Exército brasileiro, pois Lott acreditava nas Forças Armadas como ferramenta de manutenção da democracia, em que o exército brasileiro seria composto de homens dedicados à integridade das determinações constitucionais.

Em 1960, Lott é indicado pela cúpula do PSD, partido de JK, como sucessor para as eleições presidenciais, pela coligação PTB-PSD, junto à chapa de João Goulart para vice-presidente. Lott possuia grande abrangência no imaginário social e sua posição como defensor da democracia ligado às Forças Armadas o colocava numa vantagem que poderia levá-lo à presidência da República.

Porém, a chapa do PSD perde para o PTN de Jânio Quadros, enquanto seu vice do PTB ganhou. Derrotado, Lott não desiste da vida pública, iniciando campanhas entre a população contra a ala golpista do Exército. Em 1961, quando membros das Forças Armadas se amotinam contra a posse do presidente João Goulart, enquadrando quebra de patente (afinal, segundo a Constituição, o presidente da república é o comandante-em-chefe primeiro das Forças Armadas, ou seja, todos os militares respondem e obedecem ao presidente), Lott toma a frente na campanha contra o golpe.

Também assumiu uma posição de protagonismo ao lado de Leonel Brizola na famosa Campanha pela Legalidade, em que o militar articula o contato de diversos oficiais nacionalistas e anti-golpistas locais. Nesse ano, escreve uma carta aberta aos militares (“Aos meus camaradas das Forças Armadas e ao povo brasileiro”), em que clama à sua classe que elimine os sentimentos individuais de violar as leis básicas da República e colaborem para assegurar a legalidade.

Ao se contrapor à decisão do Ministro da Guerra de Jânio, que recusava aceitar a posse de Jango, Lott foi sentenciado à prisão. Ao ser abordado em sua casa, exigiu que fosse um também marechal para prendê-lo, pois não seria detido por um militar de patente inferior a sua, pelo respeito à hierarquia do exército. Quando o marechal Sucupira chega à sua residênica, Lott é levado para sua cela, onde cumpre 15 dos 30 dias estipulados de reclusão.

Quando acontece o golpe em 1964, são cassados todos os direitos políticos de Lott, que é então impedido pela Justiça Eleitoral de concorrer ao governo do estado da Guanabara. Então o marechal decide encerrar sua vida pública e sua reclusão em casa, por não concordar com os rumos que o exército estava tomando e com a implantação do regime, o que também entraria em conflito com todos os seus princípios legalistas e de respeito às patentes.

Lott morreu em 1984, um ano antes da saída do último presidente militar. Seu enterro não teve condecorações marciais ou honras de mérito militar, mas estiveram presentes diversos adimiradores do democrata, incluindo o então governador do estado Leonel Brizola, que decretou luto oficial pela perda de tão importante personagem de nossa história.