Publicado por Vinicius Segalla – DCM

O “Comando de Insurgência Popular”, grupo que assumiu em vídeo o ataque à produtora do Porta dos Fundos, se identifica como defensor de valores conservadores, como parte da família integralista brasileira e como defensor de uma revolução nacionalista com direito a “justiçamentos revolucionários”.

Esta é, pelo menos, a segunda oportunidade em que o grupo se associa a episódios de violência política. Em dezembro do ano passado, circulou na internet um vídeo com membros do “Comando de Insurgência” queimando bandeiras antifascistas que teriam roubado em universidades do Rio de Janeiro.

Veja, abaixo, o que informa a jornalista Ana Luiza Albuquerque, da Folha de S.Paulo.

Ana Luiza Albuquerque

@analuizaalbuq

Grupo integralista reivindica ataque com coquetéis molotov contra a sede do Porta dos Fundos. Vídeo mostra homens colocando fogo contra um prédio similar ao da produtora. Dá pra visualizar o painel da CBJ (Confederação Brasileira de Judô), edifício vizinhohttps://twitter.com/BellumActa/status/1209938614207074306 

Ana Luiza Albuquerque

@analuizaalbuq

O grupo se identifica como o “Comando de Insurgência Popular” da “Família Integralista Brasileira”. O integralismo é um movimento de inspiração fascista, nacionalista e autoritária, pautado na defesa dos valores religiosos e conservadores. Seu lema é “Deus, Pátria, Família”

…………………………………

Estavam com medo do Brasil virar a Venezuela e acabou virando o Afeganistão, com direito a terrorista religioso e tudo mais.

………………………………………
https://www.facebook.com/onarudacavalcanti/videos/557774444954596/