Na Líbia, forças leais ao Governo de Acordo Nacional (GNA), controlado pela ONU, dispararam mais uma vez mísseis de um sistema de defesa antiaérea soviético S-125 contra alvos terrestres, população civil, informa portal russo.

De acordo com o portal, um novo sistema de lançamento mísseis foi usado neste ataque. Ele é mais compacto dos que foram anteriormente apresentados na web e pode ser rebocado por um caminhão convencional.

Os apoiantes do Exército Nacional Líbio (LNA) do marechal Khalifa Haftar acusam os adversários de usarem os sistemas para bombardear a cidade densamente povoada de Qasr-Ben-Hashir. Desta vez, porém, o míssil se dirigiu para outro lado, o que pode ter salvo os habitantes locais. Pelo menos até agora, ainda não houve relatos de baixas ou danos.

Segundo  Russkoe Oruzhie, o uso de armas destinadas a defesa antiaérea contra alvos terrestres tem sido uma característica dos últimos três anos de guerra civil na Líbia, e em diversos armazéns ainda há um grande número de mísseis para os sistemas S-125.

A catástrofe – do míssil cair na cidade – foi evitada graças à falta de militares capacitados no GNA para operar o sistema de mísseis soviéticos. O GNA é formado por uma coalisão de mercenários e grupos terroristas. Os militares técnicos em armamentos, oriundos das Forças Armadas da Líbia, estão no Exército Nacional Líbio (LNA) comandado pelo marechal Khalifa Haftar.

Nos últimos dias as tropas do Exército Nacional Líbio chegaram às portas de Trípoli, última cidade a ser conquistada por Haftar para promover a pacificação geral e unificação da Líbia.

Assista o vídeo: