“Bolsonaro tem ajuda de cartórios, igrejas e quartéis p/ formar seu partido. Lá vem mais uma fake news e c/ certeza financiada c/ caixa 2 de seus amigos ricos, como na campanha”, escreveu a presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), no Twitter

247 – A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), sinalizou para a possibilidade de Jair Bolsonaro receber dinheiro ilegalmente, por meio de caixa 2. A postagem no Twitter dela vem após o minsitro de Minas e Energia, afirmar que o subsídio de R$ 30 milhões para templos religiosos é insignificante, o que, na entrelinha da postagem da parlamentar, sugere troca da favores para beneficiar o atual ocupante do Planalto.

“Bolsonaro tem ajuda de cartórios, igrejas e quartéis p/ formar seu partido. Lá vem mais uma fake news e c/ certeza financiada c/ caixa 2 de seus amigos ricos, como na campanha. Fala do fundo partidário mas aceita os favores do dono da Havan, fazendo vistas grossas p/ sua sonegação”, escreveu a parlamentar no Twitter.

O governo estuda a possibilidade de criar uma modalidade tarifária diferenciada para reduzir custos de templos religiosos com energia elétrica, em uma política que exigiria cerca de 30 milhões de reais por ano, disse à Reuters nesta sexta-feira o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Os custos de políticas como essa são bancados pelos consumidores de energia em geral, por meio de encargo cobrado nas contas de luz que abastece a chamada Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) —responsável por recursos para programas que incluem desde descontos para clientes de baixa renda até apoio a fontes renováveis e ao carvão mineral.

“Analisamos isso no âmbito do Ministério de Minas e Energia para verificar o quanto isso poderia impactar na CDE e verificou-se que, em termos de valores, são valores quase que insignificantes. Valor da ordem anual de 30 milhões de reais, numa conta de 22 bilhões, praticamente mínimo”, afirmou o ministro em entrevista à Reuters.

*Com informações da Reuters