Época – Carlos Bolsonaro plantou, e agora vai começar a colher. A última estocada do Zero Dois nos militares de alta patente com assento no governo — ontem, contra o ministro Augusto Heleno, do GSI — já teve a primeira reação.

O general Luiz Eduardo Rocha Paiva, integrante da Comissão de Anistia do governo federal, disparou hoje uma mensagem de WhatsApp em que chama Carlos Bolsonaro de “pau-mandado do Olavo”, referindo-se ao escritor Olavo de Carvalho.

“Pau-mandado de Olavo. Se o pai chama os estudantes vermelhinhos de idiotas úteis, e eu concordo, para mim, o filhinho dele é um ‘idiota inútil’, ou útil para os esquerdistas”, dizia a mensagem, acrescida de uma assinatura do general e um “Pode repassar”.

A estocada em Heleno foi numa página página bolsonarista, a @snapnaro, que havia publicado o vídeo de uma pessoa que se diz jornalista e, sem provas, acusa o GSI e a FAB de cúmplice do sargento Manoel Silva Rodrigues, preso na semana passada com cocaína.

Carlos então escreveu, nos comentários:

“Por que acha que não ando com seguranças? Principalmente aqueles oferecidos pelo GSI? Sua grande maioria pode ser até homens bem-intencionados e acredito que seja, mas estão subordinados a algo que não acredito. Tenho gritado em vão há meses internamente e infelizmente sou ignorado.”

E depois, naquela lógica e naquela construção frasal toda dele, continuou:

“Não digo que sou dono da razão e evitei até aqui me expor desse jeito, mas não está dando mais. Estou sozinho nessa, podendo a partir de agora ser alvo mais fácil tanto pelos de fora tanto por outros. Há muito mais nisso tudo! Mas se viemos aqui para deixar uma mensagem! Creio que essa faz uma parte dela, mesmo que isso custe minha vida! Um abraço!”.