Fonte: Agência Pública

Agência de espionagem americana denunciada por Snowden se junta a universidade para ensinar segurança digital a jovens, facilitando o recrutamento de espiões com foco no Brasil

Por Andrew Fishman

O governo dos Estados Unidos está treinando jovens de 12 a 18 anos que falam português para dar o primeiro passo a caminho de se tornarem “guerreiros cibernéticos” e, com sorte, um dia trabalharem como espiões na Agência de Segurança Nacional (NSA), a principal agência de espionagem digital do país.

Este ano, a Universidade de Washington, no noroeste do país, vai ministrar dois programas de acampamento de férias de verão gratuitos, em que alunos do ensino médio podem aprender um currículo básico de segurança cibernética desenhado pela NSA. Pela primeira vez, o curso será ensinado totalmente em português, segundo descobriu uma investigação da PúblicaO primeiro acontece entre 12 e 30 de julho, e o segundo entre 2 e 6 de agosto. O primeiro curso é online e o segundo é online e presencial. Serão aceitos 120 alunos.

Responsável pelo programa, o professor Eduardo Viana da Silva, catarinense de voz gentil e jeito amigável, conversou com a reportagem e afirmou que o curso oferece “uma janela para alguns caminhos profissionais que os alunos podem explorar no futuro” na área de segurança cibernética, seja dentro ou fora do governo americano.

O acampamento de férias faz parte do programa GenCyber (Geração Cibernética), da NSA, uma das várias iniciativas financiadas pelo Departamento de Defesa para criar e treinar possíveis recrutas para agências de espionagem e as Forças Armadas.

Apenas este ano, haverá 154 acampamentos semelhantes espalhados pelo país. “Para aumentar a acessibilidade, os diretores das acampamentos de férias GenCyber ensinam o conteúdo do curso na língua que os participantes falam. Em anos passados, acampamentos GenCyber já foram feitos em chinês e espanhol”, explicou um porta-voz da NSA à reportagem.

O Departamento de Defesa, do qual a NSA faz parte, identificou, após os ataques de 11 de setembro de 2001, que faltavam profissionais de segurança cibernética competentes e bem treinados para suas operações de espionagem digital em constante expansão. Em uma sessão no Congresso americano, representantes de vários departamentos do governo alertaram para a perigosa falta de pessoal fluente em “línguas estrategicamente importantes” – designação que inclui o português. Nos anos seguintes, o departamento se mexeu para enfrentar essa “crise de segurança nacional”.

O currículo básico de segurança cibernética feito pela NSA integra a programação do acampamento de férias

Como resultado, o governo dos EUA gastou centenas de ​​milhões de dólares por ano em treinamento, recrutamento e bolsas de estudo para treinar e incentivar jovens estudantes a seguir carreiras no governo. Esses programas servem também como uma das muitas maneiras de aumentar a influência das agências militares e de espionagem sobre as universidades, com as quais têm parceria de longa data. As agências de espionagem da América surgiram de universidades importantes, como Yale e Harvard, com as quais ainda têm laços estreitos, e grandes universidades, como a University of Southern California e a University of Kansas, têm designações oficiais como “Centros de Excelência Acadêmica da Comunidade de Inteligência” pelas quais recebem financiamento governamental.

Há décadas, grande parte da infraestrutura-chave de guerra, comunicações e espionagem digital – bem como os profissionais para equipá-las – tem sido desenvolvida nas universidades de elite dos EUA com financiamento e parceria militar. A relação de codependência está tão arraigada que as principais universidades até contratam lobistas poderosos da indústria de defesa para solicitar mais financiamento militar.

O GenCyber é apenas uma pequena estrela em uma vasta constelação de investimento militar na academia dos EUA. De acordo com o Serviço de Pesquisa do Congresso, “quase metade do orçamento de pesquisa básica do [Departamento de Defesa] é gasto em universidades. O financiamento do [Departamento] representa uma fonte substancial de fundos federais para [pesquisa e desenvolvimento] em instituições de ensino superior em alguns campos”. Em 2018, o Departamento de Defesa gastou mais de US$ 8 bilhões em universidades, com bilhões a mais em gastos relacionados à defesa vindos de outras agências federais. Estes bilhões têm o efeito de influenciar as prioridades, corpos docentes, gastos e, como resultado, os estudantes das universidades americanas.

“Claramente, o GenCyber ​​não usou apenas instituições hospedeiras para transformar o funil de recrutamento, o GenCyber ​​também ajudou a transformar essas instituições [de ensino]”, diz um relatório que avalia os primeiros cinco anos do programa, disponível em seu site. “O GenCyber ​​tem sido eficaz na promoção de mudanças na atitude em relação à segurança cibernética, tanto em termos de interesse geral quanto de carreira”, conclui a análise.

Página do site GenCyber sobre o programa direcionado aos alunos do ensino médio que falam português

“O GenCyber ​​me guiou em um caminho que acabou levando a uma bolsa SFS”, afirma Ben, um aluno entrevistado para o relatório, referindo-se à “Scholarship for Service” (Bolsa para Serviço), um programa em que o governo americano paga pela educação universitária em troca de trabalho governamental em segurança cibernética. Ben foi aluno do programa em 2015. “Depois do GenCyber, decidi participar do Cyber ​​Patriot”, uma competição de segurança cibernética para alunos do ensino fundamental e médio criada pela Força Aérea dos Estados Unidos financiada pela empresa de defesa Northrop Grumman, com bolsa em dinheiro como prêmio para os vencedores. “Eu fundei a equipe no meu colégio. Quando estava na faculdade estudando segurança cibernética, estagiei no FBI e estou trabalhando com o DoD [Departamento de Defesa] como um civil agora na segurança cibernética”, disse Ben. É uma história de sucesso do GenCyber.

O presidente dos EUA, Joe Biden, solicitou em abril que o Congresso aprovasse US$ 753 bilhões em gastos com segurança nacional para 2022. O valor equivale a mais de 90% do orçamento federal total do Brasil. Os EUA são de longe o país que mais gastam com defesa no mundo.

Os EUA têm uma longa história de espionagem secreta no Brasil. Hoje em dia a NSA tornou-se uma das principais agências a liderar essa espionagem. A NSA é a maior agência de inteligência com foco em espionagem digital do mundo. O total de funcionários da NSA é classificado, mas é estimado de ser entre 30 e 40 mil com dezenas de milhares de terceirizados adicionais.

Em 2013, o analista terceirizado Edward Snowden vazou milhares de documentos internos da NSA, mostrando como a agência espionava cidadãos do mundo inteiro, inclusive norte-americanos. Snowden vive até hoje exilado na Rússia.

Revelações do arquivo de Snowden mostraram que a NSA e seus aliados canadenses vinham espionando o Ministério de Minas e Energia e a Petrobras, causando uma crise política entre os governos de Dilma Rousseff e Barack Obama. Revelações subsequentes do WikiLeaks, publicadas pela Pública, mostraram que a NSA também estava espionando a presidente Dilma e seus principais assessores (exatamente como eles estavam, e provavelmente estão, fazendo com muitos líderes mundiais). Os frutos dessa espionagem são regularmente incluídos nos relatórios diários de inteligência do presidente e são usados por oficiais dos EUA para diversos fins, incluindo negociações de tratados comerciais.

GenCyber ​​treina crianças para se tornarem “guerreiros cibernéticos”

A Universidade de Washington, que também oferece acampamentos de férias em inglês, é uma das dezenas de universidades que administraram as acampamentos de verão da GenCyber ​​este ano, em 44 dos 50 estados dos EUA e em Washington, capital federal, além de Porto Rico, de acordo com o site do programa.

O acampamento de férias também é ministrado na Universidade de Washington

De 2015 a 2019, 15.545 alunos participaram de 565 acampamentos de férias GenCyber, além de 3.711 professores, que passaram pelo programa de formação de educadores. O relatório que avalia os primeiros cinco anos estima que quase 19% dos ex-alunos que se formaram no ensino médio seguiram em busca da segurança cibernética como carreira; vários ex-alunos foram trabalhar para as Forças Armadas, agências de inteligência ou empresas privadas de defesa como a Northrop Grumman. Muitas das universidades referem-se a esses acampamentos como “academias de guerreiros” destinadas a treinar futuros “guerreiros cibernéticos”. “A Academia de Ciberguerreiros treina a próxima geração para o emprego em combate virtual”, diz um artigo no site da Universidade da Geórgia do Norte, sobre o curso de 2017.

Os alunos aprendem fundamentos da segurança cibernética e, pelo menos em alguns acampamentos, maneiras simples de hackear computadores. Em alguns programas, os alunos são colocados em pares com mentores em idade universitária matriculados no treinamento de oficial militar.

Matt, outro ex-aluno entrevistado para o relatório, disse que participou de um exercício de hackeamento “muito divertido”: “Roubamos as credenciais do administrador usando o DDoS [ataque massivo de visitas contra um servidor]. Não pensávamos que era algo dentro dos limites do que poderíamos realmente fazer, mas conseguimos”, disse Matt, que se formou em ciência da computação e segurança cibernética. “Conseguimos fazer isso em uma rede privada, então não era ilegal”, explica.

Para participar do programa, os docentes universitários devem apresentar propostas à NSA, que oferece entre US$ 50 mil e US$ 175 mil em financiamento para cada acampamento de férias de três semanas. Muitas universidades realizam várias edições a cada verão.

Além da NSA, o acampamento de férias em português na Universidade de Washington recebe também financiamento da National Science Foundation (NSF – Fundação Nacional de Ciência), uma agência do governo dos Estados Unidos, e apoio adicional interno do Departamento de Língua Portuguesa e Espanhola do Center for Global Studies, do Language Learning Center e do Center for Information Assurance and Cybersecurity, um “centro de excelência acadêmica” certificado pela NSA. A NSF forneceu à universidade mais de US$ 110 milhões em financiamento durante o último ano fiscal, financiando mais de 189 bolsas em várias áreas de estudo.

Descrição do curso no site: “O Programa de Cibersegurança em Português da UW é uma oportunidade para estudantes do ensino médio nos Estados Unidos se familiarizarem com os princípios da Cibersegurança”

Barbara Endicott-Popovsky, diretora da escola de segurança cibernética da Universidade de Washington, afirmou ao site Cybersecurity Guide que, como parte da certificação da NSA que sua escola detém, ela participa de “vários comitês nacionais” e trabalha para promover os interesses da NSA em outras universidades: “Fui designada pela NSA para supervisionar sete estados, o que me permite fornecer mentorias introdutórias para universidades e faculdades que desejam desenvolver programas de segurança cibernética alinhados com a direção nacional”. A escola tem parceria também com empresas que detêm enormes contratos com as agências de inteligência dos EUA, como Booz Allen (onde trabalhava o ex-terceirizado da NSA Edward Snowden), Boeing, IBM e Microsoft, entre outras. A universidade é a 43ª mais militarizada do país, de acordo com uma investigação publicada em 2015 pela Vice.

O Departamento de Defesa “enfrenta desafios substanciais para atender às necessidades da força de trabalho altamente qualificada do guerreiro cibernético”, observa um estudo de 2015 da Rand Corporation, um think tank sem fins lucrativos que atende ao complexo militar-industrial dos EUA. “Treinar indivíduos a partir de um nível de habilidade zero é caro e muitas vezes ineficiente, portanto, construir um forte fluxo de candidatos pode ser benéfico”, conclui o estudo, que sugere que é mais econômico recrutar falantes nativos do que treinar novos contratados em recursos de guerra cibernética e de linguagem, já que muitos deles não seguem no serviço governamental por muitos anos.

“Não é um plano secreto do governo. Não é isso”, diz professor

Eduardo Viana da Silva, professor de português da Universidade de Washington e líder do programa GenCyber ​​em português disse à Pública em entrevista que, embora o financiamento e as diretrizes curriculares venham da NSA e da NSF, os cursos são elaborados e ministrados por ele e outros professores de português interessados ​​em encontrar novas formas de engajar os jovens.

“Línguas estrangeiras é um desses campos em que você está sempre lutando para conseguir alunos”, disse ele. “Incorporar algo como segurança cibernética ajuda, do ponto de vista prático, a atrair alunos.”

Segundo Viana da Silva, “grande parte do programa” é “dar uma janela para alguns caminhos profissionais que os alunos podem explorar no futuro” na área de segurança cibernética – dentro e fora do governo. “Existem dezenas de milhares de empregos, e eles simplesmente não têm pessoas qualificadas” com competências linguísticas suficientes. “Portanto, achamos que estamos preenchendo uma lacuna de algumas formas, especialmente em português”, afirma o professor.

“Não é um plano secreto do governo. Não é isso”, diz. “Não estamos ensinando como quebrar códigos. Porque não sabemos. Sou professor de línguas, não sei quebrar códigos.”

Procurada, a NSA não respondeu a todas as perguntas da Pública, mas disse que “o programa GenCyber visa abordar o déficit de profissionais qualificados em segurança cibernética do país. Ao despertar um interesse precoce em segurança cibernética em alunos [do ensino fundamental e médio], o programa GenCyber oferece uma oportunidade para os alunos de todo o país se tornarem a próxima geração de profissionais cibernéticos”.

Para aumentar a acessibilidade, os cursos foram ministrados também para “alunos com autismo e alunos com deficiência visual e surdos”, de acordo com o porta-voz.

O português é “fundamental para a segurança nacional dos EUA”

A Universidade de Washington já havia recebido financiamento da NSA em 2017 para administrar acampamentos de férias de verão em português para adolescentes como parte de outra iniciativa chamada “Startalk”, projetada para aumentar as habilidades em línguas críticas entre os futuros militares e a força de trabalho de inteligência. A página do curso mostra um vídeo com jovens brasileiros e outras referências nacionais como a bandeira e o nome de Santos Dumont.

Em vídeo publicado na página de inscrição do site o futuro candidato é apresentado ao conceito do curso

O português é um dos 65 “idiomas preferidos” considerados “essenciais para a segurança nacional dos EUA” pelo Departamento de Defesa.

Em um trecho do vídeo é mostrada uma aula de capoeira que é parte das oficinas do curso

Um estudo acadêmico de 2018 afirma que “nos Estados Unidos o português vive seus anos dourados desde a última década”. O crescimento é resultado direto da classificação do português como “língua crítica” pelo Departamento de Defesa. Os autores argumentam que essa designação é um “sujeito político em um contexto político”.
Eles escrevem, citando bolsas anteriores, que o “boom do ensino da língua portuguesa está diretamente relacionado aos países da África, Macau e Brasil, já que essas economias e seus recursos e commodities de biodiesel reconfiguram as moedas e fornecem aos alunos a oportunidade de se localizar como falantes profissionais quase nativos”.