Simetria Urbana, revela traços simétricos no planejamento de Praças, Parques, jardins, prédios. Na imagem Jardim Botânico. Foto: Pedro Ribas/SMCS

A cidade vista pelos nossos olhos é diferente daquela que profissionais da Fotografia retratam com seu olhar treinado e, muitas vezes, com a ajuda da tecnologia. Mas nesta semana podemos ver o mesmo que veem três fotógrafos da Prefeitura.

A série OIhar Curitiba do site da Prefeitura traz imagens produzidas pelos fotógrafos Pedro Ribas, Daniel Castellano e Ricardo Marajó. O tema desta galeria é Simetria Urbana e as produções mostram formas geométricas diversas e espaços da cidade que vistos de ângulos diferentes ficam até irreconhecíveis, como a Rua da Cidadania da Matriz ou o Edifício Delta fotografados de cima, com o auxílio de drone.

Pedro Ribas, coordenador de Fotografia da Secretaria Municipal da Comunicação Social, diz que não faz um trabalho pensando sempre na simetria, mas que acaba observando depois se a imagem registra essa forma. Para ele, o uso do drone não é fundamental nessa busca, mas algumas imagens realmente só acabam sendo produzidas da forma esperada com o auxílio do equipamento.

Uma das fotos que Ribas mais gosta, das expostas na Galeria de Imagens, é a do cruzamento das ruas Martim Afonso e Fernando Moreira. “Elas formam um X. Não esperava ver isso quando fiz a foto. Gosto bastante por ter sido inusitada”, completa.

Ricardo Marajó fez uma foto do Memorial de Curitiba com um gari na frente. A composição de cores nessa imagem, para ele, faz com que seja a sua preferida. O fotógrafo conta que passou a pensar na simetria em suas imagens depois de observar as formas geométricas na Rua da Cidadania do Boqueirão. Desde então, procura por essas formas, e sem uso de drone.

Daniel Castellano não abre mão da tecnologia nessas produções. Antes de 2017, quando não usava o drone, subia em prédios buscando formas e desenhos diferentes no chão e nos imóveis. Mas nem sempre tinha um local alto por perto para registrar as imagens que desejava. “Locais como o Jardim Botânico, o Cemitério Municipal ou as hortas comunitárias só mostram sua simetria quando o fotógrafo usa o drone”, explica Castellano.

Na imagem Bosque Alemão – Curitiba, 25/02/2019 – Foto: Daniel Castellano / SMCS

Foto: Ricardo Marajó/FAS