Sputnik Brasil – Espécie microscópica provoca rara encefalite que destrói o tecido cerebral, provocando a morte. Apesar de ser uma infecção raríssima, é presenciado um aumento de casos nas últimas décadas.

A ameba em causa, a Naegleria fowleri, é um protozoário unicelular que pode ser encontrado na água ou solo, sendo a única espécie da família Naegleria que pode infectar seres humanos, originando a patologia denominada Meningoencefalite Amebiana Primária (MAP), popularmente conhecida como “ameba comedora de cérebros”.

O Departamento de Saúde da Flórida anunciou registro de um novo caso de infecção por Naegleria fowleri no Condado de Hillsborough.

​Uma pessoa contraiu Naegleria fowleri no condado de Hillsborough. Naegleria fowleri é uma ameba viva unicelular microscópica. A ameba pode causar uma infecção rara do cérebro chamada Meningoencefalite Amebiana Primária que destrói o tecido cerebral e geralmente é fatal

O departamento observa que a referida ameba é comumente encontrada em água doce morna, como lagos, rios, lagoas e canais. A infecção geralmente ocorre quando a água contaminada entra no corpo de alguém através do nariz, viajando então a ameba até o cérebro e causando a MAP.

Deve-se igualmente ter cuidado com descargas de águas mornas de instalações industriais e piscinas com baixo teor de cloro.

O departamento emitiu uma advertência aos residentes da Flórida sobre a possível presença da ameba comedora de cérebros, apelando para que se evite o contato nasal com as águas ao nadar e mergulhar em lagos, rios e lagoas da Flórida.

Segundo o departamento, “embora a Naegleria fowleri seja comumente encontrada no ambiente, a infecção ocorre raramente. No entanto, esta doença tem importância para a saúde pública devido à alta taxa de mortalidade. Apenas quatro pessoas entre os 143 casos registrados nos Estados Unidos entre 1962 e 2016 sobreviveram”.

A Flórida já registrou 37 casos desde 1962.