O deputado Luciano Ducci (PSB) disse nesta sexta-feira, 16, que o fim da parceria entre os governos brasileiro e cubano no programa Mais Médicos “causará um prejuízo irreparável” e um problema de saúde pública. “Conheço muitos médicos cubanos que são única referência nos pequenos municípios. São profissionais que deixaram suas famílias em Cuba para atender nos lugares mais pobres do nosso país”, disse Ducci em postagem no facebook.
Ducci sustenta que se há falhas, programa deve ser ajustado. “E que se estabeleça um processo de transição, permitindo melhorias no formato no programa, sem prejudicar milhões de brasileiros”, disse.
Na quarta-feira, o governo cubano decidiu suspender sua participação no programa e do envio de mais 710 médicos ao Brasil. Atualmente são 8,3 mil médicos cubanos que prestam serviços até do programa Mais Médicos no País. “O fim desta parceria causará um prejuízo irreparável, criando um problema de saúde pública, caso não haja uma solução imediata de reposição”, completa Luciano Ducci.
 
O impacto do fim da parceria, segundo Ducci, vai além de qualquer discussão ideológica e passa por uma necessidade de saúde pública. “Afinal são 28 milhões de brasileiros atendidos pelos médicos cubanos, em mais de 1.500 municípios. Destes, mais de 80% tem menos de 20 mil habitantes, e são cidades pobres”.
 
Até mesmo o Paraná será atingido, adianta Ducci. “Há hoje 458 médicos do programa, distribuídos por 187 municípios e dois distritos sanitários indígenas, e aproximadamente metade deles é de origem cubana. Cidades grandes, como Ponta Grossa, estão em alerta com esta situação que pode atingir Unidades Básicas de Saúde, já que 60 dos 80 profissionais do município são cubanos e devem voltar ao país de origem”, completa o deputado.