O filme “Rede de Espiões” (La Red Avispa), do diretor francês Olivier Assayas, é sucesso de público no Netflix. Apesar de algumas críticas que possam ser feitas à forma como se referem ao governo de Cuba e aos protagonistas, o filme retrata uma história real: a prisão de cubanos em Miami – acusados de espionagem – que atuaram para desbaratar uma organização anticastrista que promovia atentados terroristas na ilha.

O filme é uma coprodução de França, Espanha, Bélgica e Brasil, foi selecionado na 76ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza. Tem nos papéis principais Wagner Moura, a atriz espanhola Penélope Cruz, o mexicano Gael García Bernal, o venezuelano Edgar Ramírez, entre outros. O filme também foi selecionado em festivais importantes como o Festival Internacional de Cinema de Toronto, Canadá; o Festival de San Sebastian, na Espanha, e o Festival de Nova York, nos Estados Unidos.

“Rede de Espiões” é baseado no livro “Os Últimos Soldados da Guerra Fria”, de Fernando Morais, que conta a história real dos antiterroristas cubanos Gerardo Hernández, René González, Antonio Guerrero, Fernando González e Ramón Labañino.

Eles ficaram conhecidos internacionalmente como “Os Cinco”. Foram presos em 1998 nos Estados Unidos, acusados de espionagem, e sentenciados a altas penas de prisão por alertarem Cuba durante os anos 90 sobre os planos de grupos terroristas que atuavam no sul da Flórida.

O filme não traduz a versão apresentada no livro. Explora apenas uma visão holyodiana para agradar o público, mas ainda assim vale a pena ser visto.

Os heróis cubanos eram refugiados que trabalharam – direcionados por autoridades norte-americanas– em organizações anticastristas em Miami. Essas organizações até os dias de hoje possuem rádios, canais de televisão e jornais impressos para atacar o governo de Cuba. Os heróis cubanos que atuaram nessas organizações preveniam o governo cubano sobre os atentados terroristas a serem cometidos em território cubano, salvando assim centenas de vidas inocentes.

As organizações anticastristas contam com o apoio descarado do governo norte-americano para tentar desestabilizar o governo de Cuba. O governo dos EUA protege e protegeu terroristas famosos como Luis Posada Carriles, ex-agente da CIA, em ações terroristas amplamente divulgadas.

 

José Gil, ex-presidente do Conselho Nacional de Cineclubes