A guerra na Síria, como todos sabem – menos a mídia canalha – é causada por motivos meramente econômicos: EUA e monarquias árabes querem atravessar um gasoduto pela Síria para impedir a exportação de gás russo para a Europa. O resto não passa de cortina de fumaça para enganar a opinião pública mundial. O governo sírio tem acordos e interesses com o governo de Putin, e por isso a guerra persiste com todas as suas tragédias humanas, diante da cegueira e cumplicidade criminosa das Nações Unidas, isto é, dos governos fantoches que se acovardam e se submetem aos interesses imperialistas do governo dos EUA.

A mais nova ameaça fabricada nos laboratórios do Pentágono é um suposto ataque químico por parte do governo sírio à população de uma pequena região ainda controlada por terroristas em Duma. Ora, o que todos sabem – menos a mídia canalha – é que o governo sírio não tem nenhum interesse em usar armas químicas porque venceu a guerra e está eliminando os últimos focos de terroristas financiados e apoiados pelo governo dos EUA e seus aliados, isto é, as monarquias árabes e os governos de Israel, França e Inglaterra.

O governo russo tem alertado a opinião pública há meses sobre a fabricação de mais uma farsa com uso de armas químicas para justificar um ataque militar à Síria por parte dos EUA e seus aliados. Nos casos anteriores em que terroristas viram seus depósitos de armas químicas voarem pelos ares após bombardeio da aviação síria, ficou provado que as armas eram de origem israelense e saudita, justamente países que apoiam os terroristas. Mas as Nações Unidas não investigaram porque a investigação não interessava ao governo dos EUA.

A imprensa ocidental – canalha – deveria ser responsabilizada por cumplicidade com o terrorismo, uma vez que dissemina mentiras para justificar mortes e destruição em diversos países onde os interesses dos EUA são contrariados.

O “velho maluco” Donald Trump (alcunha dada por Kim Jong Un) não aceita a derrota na Síria porque prometeu a seus aliados – ou melhor, cúmplices – que derrotaria Bashar Al Assad em poucos meses, por isso vem estacionando tropas norte-americanas na Síria, na fronteira com a Turquia, e agora – mais uma vez – ameaça atacar a Síria com apoio militar da França, justamente o primeiro país a bombardear a Líbia destruindo a economia e a infraestrutura do país, relegado hoje a depósito de terroristas financiados pelos EUA e seus aliados.

A ameaça de atacar novamente a Síria por parte dos governos dos EUA e França são verdadeiramente terrorismo de Estado. A imprensa canalha tenta justificar esse terrorismo estatal com imagens fabricadas por terroristas mostrando crianças sírias atendidas por voluntários em cenas chocantes para sensibilizar a todos. Entretanto, nenhum hospital sírio atendeu vítimas desse alegado ataque.

O que todos sabem – menos a imprensa canalha – é que os terroristas financiados pelos EUA e seus aliados cortavam cabeças, queimavam pessoas vivas em jaulas, jogavam pessoas do alto de edifícios, encarceravam mulheres e crianças no alto dos prédios para impedir ataques aéreos sírios. Prostituíam e vendiam mulheres e crianças sírias. Fuzilavam famílias inteiras apenas pelo fato de serem alauitas ou cristãos. Esses são os terroristas que hoje se dizem vítimas do presidente Bashar Al Assad em um ataque químico forjado e falsificado.

a) Movimento Marcha Verde – Brasil