O Governo do Paraná vai entregar novos equipamentos que fortalecerão a rede de saúde do Estado. São 15 aparelhos de ultrassom que vão reforçar a estrutura de atendimento da Rede Mãe Paranaense e equipamentos de informática para atender todas as unidades da Rede Hemepar.

“Estes dois repasses são muito importantes. Os aparelhos de ultrassom, no valor de R$ 4,17 milhões, vão ajudar as maternidades que tem um peso estratégico na gestação de alto risco. Já os equipamentos de informática vão modernizar ainda mais a Rede de Sangue do estado. Isso mostra a nossa preocupação com a saúde do povo do Paraná”, afirmou o secretário estadual de Saúde Michele Caputo Neto.

Nestes sete anos de gestão, o Governo do Paraná já investiu R$ 52 milhões na estruturação da Rede Hemepar e R$ 630 milhões para a Rede Mãe Paranaense.

ULTRASSOM – Com aparelhos de ultrassom, os hospitais beneficiados poderão identificar má formação cardíaca, inclusive em prematuros e bebês de baixo peso. Além disso, com eles será possível avaliar toda complexidade de problemas como cálculos de obstetrícia, ginecológico, abdômen total, pediátrico e cardíaco.

“Este repasse de equipamentos vai ajudar a fortalecer a estrutura hospitalar dos hospitais que são referências regionais no atendimento de alto risco da Rede Mãe Paranaense. Graças a estes aparelhos, os hospitais e maternidades vão poder, ainda, qualificar o trabalho nos ambulatórios, aumentando a eficiência do atendimento”, destacou o superintendente de Atenção a Saúde, Juliano Gevaerd.

A escolha dos serviços se deu priorizando os hospitais referência de gestação de alto risco que atendem casos de maior complexidade em crianças e gestantes, tais como as más-formações – esta, inclusive, atualmente é a segunda causa de mortalidade infantil no Estado.

Uma das instituições que vai receber o equipamento é o Hospital Universitário de Londrina. A diretora e superintendente do Hospital, Elizabeth Ursi, ressalta que o HU é responsável por 90% dos exames de pré-natal de alto risco na região e, como parte do atendimento, fazem exames para analisar o desenvolvimento do feto. Para este propósito, aparelhos de ultrassom convencionais não são capazes de gerar imagens com a nitidez necessária para esta análise.

“O aparelho que temos hoje no hospital tem quase 15 anos de uso. Estávamos bastante preocupados em como iríamos atender toda a demanda que temos. Quando fomos informados do recebimento deste novo equipamento foi um grande alívio”, salientou Elizabeth.

Outro hospital beneficiado é a Santa Casa de Irati. O médico e provedor da instituição, Ladislau Obrzut Neto, afirma que aproximadamente 450 novos atendimentos poderão ser feitos com este ultrassom.

“Este aparelho, com certeza, vai trazer um melhor diagnóstico para os pacientes da região. Estes ganhos na qualidade de imagem e precisão vão nos ajudar a melhorar ainda mais a qualidade aos pacientes do SUS”, enfatizou o provedor.

HEMEPAR – Para a hemorrede estadual serão destinados 349 equipamentos sendo 170 computadores, 72 leitores óticos, 82 impressoras de códigos de barras, 23 impressoras multifuncionais e dois servidores digitais.

O diretor do Hemepar, Paulo Hatschbach, destaca que estes novos equipamentos são essenciais para manter a estrutura de toda a hemorrede acessível à população.

“É fundamental que nos mantenhamos constantemente atualizados em todos os serviços realizados pelo Hemepar, inclusive dando boas conduções aos servidores para que executem suas tarefas”, enfatizou Hatschbach.

Com os leitores óticos, é possível identificar e localizar as bolsas de sangue enviadas pelo Hemepar em qualquer parte do Estado através do código de barras, garantindo maior segurança e confiabilidade a pacientes e doadores.

“Com esta funcionalidade é possível saber com exatidão de onde vem e para onde vai o sangue coletado no Paraná. Conseguimos rastrear cada bolsa desde a coleta até sua distribuição, sabendo inclusive nome do paciente que recebeu e do funcionário que coletou. Isso aumente e muito a segurança das doações e permite que possamos traçar um panorama do sangue no Paraná”, afirmou o diretor do Hemepar.

Todas as unidades da hemorrede recebem mensalmente 17 mil candidatos a doação e, em média, 14 mil estão aptas a doar sangue. Além disso, são feitos 138 mil exames sorológicos, 42 mil hemocomponentes produzidos e 15 mil transfusões de sangue. A rede atende ainda 1,3 mil pacientes portadores de coagulopatias e hemoglobinopatias, conhecidas como doenças do sangue, e que precisam de hemoderivados e/ou hemocomponentes para sobreviver.