Violência na Embaixada da Venezuela em Brasília. Foto Metrópoles

Embaixada da Venezuela no Brasil é invadida: é preciso saber agora quem está por trás dessa ação criminosa

Joaquim de Carvalho – DCM

A Embaixada da Venezuela no Brasil foi invadida nesta manhã. O encarregado de negócios da Venezuela divulgou áudio em que pede ajuda dos movimentos sociais e dos partidos políticos. “O território venezuelano está sendo invadido”, disse, na mensagem divulgada pela rede social.

Deputados do PT e outros partidos de esquerda se dirigem para o local.

A invasão da Embaixada da Venezuela no Brasil repete o que ocorreu no dia 10 de novembro na Bolívia, quando a representação diplomática (território venezuelano) também foi invadida.

Em junho deste ano, Jair Bolsonaro recebeu a credencial da advogada María Teresa Belandria Expósito, nomeada representante da Venezuela no Brasil pelo governo de mentirinha de Juan Guaidó.

Ela estaria por trás desta invasão.

Belandria, especialista em direito econômico internacional, é professora da Universidade Central da Venezuela e coordenadora do partido Vente Venezuela, da líder oposicionista María Corina Machado.

O recebimento da credencial não teve efeito prático, mas agora, cinco meses depois, com o mau exemplo da Bolívia, golpistas venezuelanos se sentiram à vontade para a ação criminosa no Brasil.

Se não houver reação por parte das autoridades brasileiras, essa invasão pode repercutir no encontro do BRICS, que começa hoje em Brasília, com a participação de chefes de estado da China e da Rússia, que apoiam o governo de Nicolás Maduro.

É estranho que essa ação terrorista seja desencadeada no dia em que começa esse encontro.

O jornal Valor Econômico informa que a invasão teve a cumplicidade de funcionários da Embaixada, que teriam “desertado”.

À frente desse grupo, estaria um enviado do presidente autodeclarado Juan Guaidó, Tomás Alejandro Silva, “ministro-conselheiro” nomeado por ele.

Os funcionários dissidentes teriam liberado a entrada do cidadão.

Servidores leais a Maduro, como o adido militar, foram para lá, e a polícia do Distrito Federal foi acionada, mas seus comandantes dizem que não podem fazer nada, já que se trata de território estrangeiro.

A embaixadora fake, María Teresa Belandria, se encontra em Washington, onde ela já morava antes de Bolsonaro receber suas credenciais.

Invasores da embaixada são milicianos fardados que podem estar armados, diz Paulo Pimenta

O líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta, informa que os invasores da embaixada venezuelana em Brasília são milicianos fardados, brasileiros e venezuelanos. Vários carros foram usados na invasão na madrugada desta quarta-feira. Pimenta está dentro do terreno da embaixada desde o início da manhã, convocado pelos diplomatas da Venezuela

247 – O líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), informou que os invasores da embaixada da Venezuela  em Brasília são milicianos fardados, tanto brasileiros como venezuelanos. Todos trajam camisas brancas e calças jeans, idênticas. Vários carros foram usados na invasão na madrugada desta quarta-feira (13).

Paulo Pimenta  foi à embaixada no início  manhã desta quarta, convocado pelos diplomatas. Ele está no terreno da embaixada, do lado externo. A invasão ocorreu por volta das 4h. Segundo o parlamentar, os milicianos podem estar armados, mas não é possível ainda afirma com certeza. “Mas não se trata de militantes, são mesmo milicianos pagos, pelo que deu para notar das poucas palavras trocadas com eles”, disse.

Os invasores apoiam o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, aliado das forças que tentam um golpe contra o governo de Nicolás Maduro.

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) está nos portões da embaixada, mas não entrou, pois trata-se de território venezuelano. A PM não agiu contra o líder dos invadores, que foi expulso da embaixada.