O governador de São Paulo, João Doria, aliado de Jair Bolsonaro, também afirmou que não é hora de “acirrar” os ânimos e “desviar o foco da pauta econômica”, duas possíveis consequências que ele enxerga por causa dos atos de apoio ao presidente previstos para o domingo (26)

Brasil 247 – O governador de São Paulo, João Doria Jr., aliado de Jair Bolsonaro, considera “inoportunos” os atos previstos para este domingo (26) no País em apoio ao presidente, alvo de manifestações em mais de 200 cidades do Brasil na última quarta-feira (15) contra os cortes de verba na Educação.

De acordo com o tucano, não é hora de “acirrar” os ânimos e “desviar o foco da pauta econômica”, duas consequências que ele enxerga como possíveis a depender da pauta que for levada às ruas no domingo.

“Minha posição é contrária à realização dessas manifestações. Respeito quem for aos atos, sobretudo se forem pacíficos, porque se trata de um direito de todos. Mas, como governador de São Paulo, entendo que não é hora de propor o acirramento dos ânimos e, sim, de pregar a responsabilidade com o País e a união de esforços para que possamos superar a grave crise econômica do Brasil”, disse ela à coluna de Vera Magalhães, no jornal O Estado de S.Paulo.

“Esta é mais uma razão pela qual esse ato é inoportuno. A dualidade da pauta já deveria servir para desaconselhar o apoio a essa manifestação. A hora é de paz, de entendimento nacional. As autoridades deveriam fazer um esforço nesse sentido”, acrescentou.

GENERAL SANTOS CRUZ DIZ QUE NÃO É A MELHOR HORA PARA MANIFESTAÇÕES PRÓ-BOLSONARO

A base de apoio do presidente Jair Bolsonaro está dividida sobre as manifestações do próximo domingo (26), convocadas para expressar apoio ao governo em ofensiva contra o Legislativo e o Judiciário. Destacam-se entre os que se opõem o general Santos Cruz, da Secretaria de Governo e setores do empresariado. O general acha que não é a melhor hora para manifestações.