A Prefeitura de Curitiba está modernizando o atendimento às pessoas em situação de rua, com a abertura de novas unidades, reorganização do atendimento e ampliação de vagas. – Na imagem, República Pioneiros. Foto: Ricardo Marajó/FAS

Dando sequência ao trabalho estruturado em 2017, a Fundação de Ação Social (FAS) fortaleceu ações de proteção social, garantia de direitos e qualificação profissional das famílias mais vulneráveis.

A atenção às pessoas em situação de rua cresceu. Curitiba ganhou cinco unidades de acolhimento – as casas de passagem Bairro Novo e Plínio Tourinho, as repúblicas Pioneiros e Boqueirão e o Hotel Nova Morada Vida Nova – e três unidades com serviços de abordagem e atendimento social – o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP) Bairro Novo, a Unidade de Resgate e Cidadania e a Central de Encaminhamento Social 24 Horas.

“Desde o primeiro dia desta gestão do prefeito Rafael Greca, trabalhamos para ampliar oportunidades de acesso das pessoas em situação de rua aos serviços ofertados pela rede de proteção social do município”, explica a presidente da FAS, Elenice Malzoni.

Hoje, Curitiba tem 1.012 vagas de acolhimento para pessoas em situação de rua. No período de inverno, com a intensificação do trabalho, a capacidade chegou a 1.188 vagas.

Novos espaços

A nova Central de Encaminhamento Social 24 Horas, na Rua Francisco Torres, no Centro, agrega os serviços de abordagem e atendimento social, funcionando como porta de entrada para a inclusão das pessoas em situação de rua aos serviços públicos de proteção.

Ainda na região central foi implantada a Unidade de Resgate e Cidadania, ao lado Restaurante Popular Capanema. Desde janeiro, a equipe da URC fez 2.365 abordagens sociais no entorno, sendo que 1.224 pessoas aceitaram ser encaminhadas para a rede socioassistencial e 31 incluídas no Cadastro Único, do governo federal, que dá acesso a benefícios sociais.

Roteiros fixos

Curitiba tem hoje 1.666 pessoas vivendo nas ruas e cadastradas no Cadastro Único, sendo que 63% delas concentram-se na região central da cidade.

A partir de um mapeamento dos locais mais frequentados por esse público, a FAS destacou duas equipes fixas de abordagem social, que percorrem diariamente a região do Mercado Municipal e Setor Histórico de Curitiba.

Desde o início deste trabalho, em janeiro de 2018, as equipes fizeram 7.326 abordagens sociais, sendo que em 3.070 delas as pessoas aceitaram atendimento.

Curitiba que Acolhe

Para que ninguém sofresse com o frio, a FAS intensificou, pelo segundo ano consecutivo, o atendimento às pessoas em situação de rua no inverno, com abertura de uma unidade, aumento das equipes para abordagem social nas ruas e de vagas de acolhimento.

De 15 de maio a 15 de setembro, foram 2.632 pessoas atendidas durante a Ação Inverno – Curitiba que Acolhe. Em 2017, a ação atendeu a 2.697 pessoas.

O ex-auxiliar de manutenção e de panificação Antônio Estevo Likoski foi uma das pessoas abordadas por uma equipe da FAS que passava pela praça Rui Barbosa, em uma manhã fria de setembro. “Eu estava esperando o sol e o pessoal chegou. Foi a melhor coisa que podia acontecer”, relembra.

Depois do término da Ação Inverno, a Casa de Passagem Plínio Tourinho passou por reformas e foi reaberta em outubro como uma unidade permanente. A unidade chegará a 100 vagas para atender pessoas que buscam espontaneamente por acolhimento e aqueles encaminhados pela abordagem social e pela Casa da Acolhida e do Regresso (CAR).

Mutirões nas praças

Em 2018, a FAS implantou ainda um novo serviço para ampliar o atendimento às pessoas em situação de rua, os mutirões nas praças onde há maior concentração deste público.

Durante as ações, 232 pessoas foram atendidas com serviços de cadastramento e atualização de dados no CadÚnico, encaminhamentos para unidades da assistência social, comunidades terapêuticas, emissão de documentos, retorno familiar e emprego.

Novos Cras

Com uma grande rede formada por equipamentos de proteção social, o município trabalha para a garantia de direitos de crianças e adolescentes, mulheres, pessoas idosas, famílias e indivíduos em situação de risco e vulnerabilidade social.

Em 2018, a FAS finalizou a construção dos novos prédios dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) Bairro Alto; Monteiro Lobato, na Regional Tatuquara, e Vila Verde, na Regional CIC. Os novos espaços serão inaugurados em breve garantindo espaços de atendimento mais adequados para a população.