Curitiba registrou a menor taxa de mortalidade infantil de toda a sua história em 2019: 6,5 óbitos a cada 1 mil nascidos vivos. O recorde foi apontado nos dados da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba.

A redução da taxa chega a 25,3%, considerando o período desde 2016, último ano da gestão anterior, quando a mortalidade infantil estava em 8,7 óbitos a cada 1 mil nascidos vivos.

A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba estima ainda que a diminuição da taxa de mortalidade, no período compreendido entre 2016 e 2019, implicou numa redução de 93 óbitos de crianças até 1 ano, no total.

Para o prefeito Rafael Greca, a redução da mortalidade infantil é um dos mais importantes indicadores de saúde.

“A cidade é o berço, é o começo do caminho, o lugar onde a gente vem ao mundo e onde precisa ser feliz. É dever da Prefeitura e dos serviços públicos estabelecidos na cidade cuidar das pessoas”, disse o prefeito.

Em 2017 e 2018, a taxa foi de 8,3 óbitos a cada 1 mil nascidos vivos.

Outras Capitais

Os dados mais recentes e consolidados do Datasus, do Ministério da Saúde, são de 2018. Naquele ano, com 8,3 óbitos a cada 1.000 nascidos vivos, Curitiba mantinha a taxa de mortalidade infantil mais baixa entre as capitais com mais de 1 milhão de habitantes. Só Florianópolis, com 7,7, tinha um índice inferior. A média nacional era de 12,2. A taxa é calculada conforme o número de óbitos até um ano de idade.