O Governo do Estado vai investir cerca de R$ 1,2 milhão na compra de um novo mamógrafo digital para o Hospital de Clínicas em Curitiba. O equipamento, de última geração, vai fortalecer a infraestrutura de atendimento da Unidade da Mama, especializada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

O anúncio foi feito pela vice-governadora Cida Borghetti e pelo secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, durante evento de liberação de recursos federais para serviços de saúde da capital, com a presença do ministro da Saúde, Ricardo Barros e do prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

A rede é formada por outros três mamógrafos digitais em Maringá, Londrina e Cascavel. Os recursos para a compra dos modernos equipamentos são de emendas individuais de Cida Borghetti quando era deputada federal.

“Com a instalação deste novo equipamento aqui no Hospital de Clínicas, consolidamos uma moderna rede de diagnóstico contemplando todas as quatro macrorregiões do Estado. Com certeza, uma excelente notícia para iniciar o Outubro Rosa”, afirmou Cida Borghetti. “O diagnóstico precoce é hoje a principal arma que temos no combate ao câncer de mama”, acrescentou a vice-governadora.

Os mamógrafos de Londrina e Maringá já estão em funcionamento e reduziram a fila por exames. Já o de Cascavel está em fase final de testes e deve começar a operar plenamente a partir deste mês de outubro.

De acordo com o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, o grande diferencial deste mamógrafo do Estado é que ele é digital e já vem com esterotaxia. “A qualidade da imagem é muito superior ao do mamógrafo convencional que o HC mantém aqui. Isso ajuda no diagnóstico e no tratamento, pois é possível detectar nódulos ainda em estágio inicial”, explicou.

No evento desta segunda-feira foram liberados aproximadamente R$ 26 milhões para ampliar e qualificar a rede hospitalar em Curitiba. Os recursos são do Ministério da Saúde e serão destinados à habilitação de novos leitos e serviços de média e alta complexidade.

Os recursos vão habilitar leitos clínicos e de UTI, além da ampliação dos serviços da rede de urgência, no Hospital do Trabalhador, Santa Casa de Misericórdia, Hospital Universitário Evangélico, Hospital das Clínicas e Hospital São Vicente.