A governadora Cida Borghetti abriu nesta quinta-feira a Bienal Internacional de Curitiba, que em 2018 está comemorando 25 anos. O ministro da Cultura do Paraguai, Rubén Capdevilla, e o embaixador da Argentina no Brasil, Carlos Magariños, também participaram do evento, promovido no Museu Oscar Niemeyer (MON). “A Bienal é um orgulho para os paranaenses dos 399 municípios”, afirmou a governadora.

Segundo ela, é um momento de reunião de centenas de artistas e de inúmeras exposições em diversos locais da capital e, também, em Cascavel, Argentina e Paraguai. “É um dos mais importantes eventos de arte e cultura contemporânea do País. Vou além, e digo que não só do País, mas um dos principais também fora das nossas fronteiras”, disse.

Para o ministro da Cultura do Paraguai, a Bienal é um dos eventos mais importantes da cultura da América Latina. “Isso porque há um intercâmbio cultural muito grande entre artistas e obras paraguaios, brasileiros e de outros países”, disse, lembrando que há obras também em Assunção, na capital, que podem ser conferidas no Museo Nacional de Bellas Artes.

O embaixador da Argentina no Brasil destacou que está feliz com a parceria na área cultural entre Paraná e o Brasil, que é histórica. “Esperamos continuar com esse trabalho em conjunto, que tem ajudado a divulgar os artistas argentinos, paranaenses e brasileiros”, afirmou. “O Governo do Paraná tem feito um excelente trabalho para a cultura”, acrescentou Carlos Magariños.

APOIO – Na abertura, a governadora ressaltou, ainda, que a Bienal de Curitiba tem o apoio incondicional do Governo do Estado. “O que mostra que somos capazes de produzir um evento com características internacionais, com a nossa inclusão no rol das nações com sensibilidade ao investimento na arte”.

Além do suporte de infraestrutura, com a disponibilidade de locais públicos, como o MON, o Estado fomenta o evento por meio do incentivo via Lei Rouanet de empresas públicas, como a Copel e a Sanepar, e também com o programa do Governo do Estado de fomento e incentivo à cultura, o Profice.

A governadora também falou que a lei estadual de incentivo à cultura no Estado foi aprovada com ampla participação de artistas paranaenses, em audiências públicas promovidas em vários municípios do Paraná.

“O Profice proporciona a revitalização da arte e da cultura no papel que cabe ao poder público”, afirmou Cida.

Ela enfatizou também o trabalho da Secretaria de Estado da Cultura e afirmou que o Governo investe recursos e talentos em literatura, cinema, teatro, artes plásticas, fotografia, nos museus. “Temos um forte compromisso com a arte e a cultura, porque são partes inseparáveis da melhoria da qualidade de vida e do desenvolvimento humano”, afirmou.

ARTISTAS – A Bienal de Curitiba reúne centenas de artistas não só em espaços tradicionais, como museus e galerias, mas também em espaços diversificados e alternativos. Já passaram pelas diferentes edições desta Mostra nomes como Marina Abramovic, Bruce Nauman, Dan Flavin, Julio Le Parc, Richar Serra, além de artistas emergentes. A edição de 2018 tem exposições de artistas como Leonardo Kossoy, H-AL e Christus Nóbrega disponíveis até 30 de dezembro.

REALIZAÇÃO – O evento é promovido pela Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura Municipal de Curitiba, Museu Oscar Niemeyer, Secretaria de Estado da Cultura e Ministério da Cultura do Governo Federal. A Copel e a Sanepar estão entre os patrocinadores do evento. A URBS também apóia.

PRESENÇAS – Também participaram da abertura da Bienal o secretário estadual da Cultura, João Luiz Fiani, a diretora-presidente do Museu Oscar Niemeyer, Ilana Lerner, e demais autoridades.