Material aponta os 7 principais desafios da indústria e as soluções propostas para a atuação da próxima gestão da federação

Foi lançado neste domingo (21) o e-book da chapa Sindicato forte, Fiep maior para as eleições da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), gestão 2019-2023. No material, disponível no site www.industriaderespeito.com.br, é possível encontrar alguns dos maiores problemas da atual gestão da Fiep. As informações foram coletadas em reuniões realizadas com representantes da indústria do Estado de vários setores e regiões do Paraná. No material também estão as propostas para enfrentar os desafios.

Dentre os problemas apontados na publicação estão a falta de articulação da Federação em todas as esferas de governo, falha na governança na entidade e a falta de representatividade da Fiep atualmente.

“A Federação precisa ser protagonista e contribuir para as reformas que estão em andamento no país. Só assim conseguiremos vencer os desafios e colocar a indústria paranaense nos trilhos do crescimento novamente”, afirmou o candidato a presidente da chapa, José Eugenio Gizzi.

Um dos pontos existentes no material e abordado como o maior problema por todos os empresários que contribuíram para a confecção do e-book, foi  a falta de transparência na prestação de contas da Fiep. O compromisso de Gizzi é a extinção dos salários para o presidente da entidade e a redução dos gastos de gabinete.

Segundo a legislação vigente (estatuto da Fiep e acórdãos do Tribunal de Contas da União) a forma de remuneração do presidente da Fiep atualmente é ilegal. A chapa propõe também acabar com o nepotismo dentro da Fiep. Sobre a falta de representatividade, uma das propostas é a atuação republicana frente a todas as esferas de governo visando o crescimento da produção industrial paranaense e o fim do uso da entidade para servir a propósitos políticos.

“No Paraná, a indústria gera mais de 50% das exportações e é responsável por ¼ dos empregos (IBGE, 2018). Cada real produzido na indústria paranaense gera R$ 2,32 na economia brasileira (CNI, 2018). A indústria do Paraná precisa ser representada a altura, isso é urgente”, afirma Gizzi.

Além disso, também estão entre os compromissos, a recriação das coordenadorias regionais para melhorar o atendimento aos industriais sem representação, colaborando com os Sindicatos que não têm estrutura na região. Outra proposta da chapa é a adição do conceito de benefícios à indústria para contratações recorrentes dos programas de educação e serviços do sistema Sesi e Senai.

“É preciso mudar. A indústria paranaense é muito forte e precisa ser representada à altura. Essa é a nossa principal proposta para a Fiep”, diz Gizzi.