Arthur Lira Divulgação/Agência Câmara de Notícias (9.mar.2021)

O Essencial – DCM

Podendo controlar R$ 11 bilhões em emendas parlamentares, nenhum homem tem mais poder no Congresso hoje do que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).  O valor é maior, por exemplo, do que o orçamento de sete ministérios, como o de Minas e Energia e o de Ciência e Tecnologia, e quatro vezes o orçamento do Meio Ambiente.

Esse valor corresponde a parte da Câmara do recém descoberto orçamento secreto, que recebeu esse nome porque as informações de origem da emenda não serão registradas publicamente, nem quais são os critérios determinam o quanto e onde os recursos serão gastos

A única coisa definida sobre o recurso é, no entanto, que para os parlamentares terem acesso a ele precisam passar por Lira, que deverá controlar o atendimento das demandas de líderes partidários de acordo com a fidelidade às causas do governo e a proximidade de cada grupo com ele próprio.

Ao que se sabe, Lira usará como critério a distribuição de apenas R$ 20 milhões para os partidos mais distantes dele politicamente, R$ 80 milhões aos líderes partidários que apoiam ele e o presidente parcialmente e R$ 100 milhões para os partidos mais próximos.

O tamanho da bancada também pesa na distribuição dos recursos. Assim, por exemplo, bancadas grandes como a do PL (41 deputados) ou a do PSL (com 53) receberão mais, desde que estejam fechadas com o presidente da Casa. O valor exato que cada um receberá, porém, não foi divulgado.

LEIA: Flávio Bolsonaro, Lira e Ciro Nogueira teriam esquema em transporte de vacina, diz Miranda

Com informações de O Globo

PS do DCM: o montante serve na realidade para garantir paz a Bolsonaro, na certeza de que o ‘roletrando’ de Arthur Lira vai garantir que a base governista da Câmara não se anime pelo impeachment do capitão.