Por José Goulão [*] – Pátria Latina

Um telegrama da insuspeita Associated Press, assinado por Kathy Gannon, testemunha o seguinte: em 2 de julho “os Estados Unidos deixaram a base aérea de Bagram no Afeganistão ao cabo de quase 20 anos apagando as luzes e fugindo durante a noite sem notificarem o novo comandante afegão da base, que deu pela partida dos norte-americanos mais de duas horas depois, segundo fontes afegãs”.

O império e o seu aparelho de guerra, a OTAN, escapuliram-se de fininho pela calada da noite tentando evitar a repetição das imagens de 1975 em Saigon, quando chefes militares e diplomatas norte-americano treparam apressadamente para helicópteros na altura em que os patriotas vietnamitas estavam a entrar na cidade. O secretismo cobarde da operação não esconde nem disfarça, porém, mais uma derrota militar dos Estados Unidos e dos aliados – entre os quais Portugal – desta feita na sua guerra mais longa, que duplicou o tempo de envolvimento no Vietnã.

Para trás ficaram centenas de milhar de baixas – o número real provavelmente jamais será conhecido – milhares de milhões de dólares queimados, um país em guerra e completamente destruído. Mais um, a juntar ao Iraque, à Síria e à Líbia, para citar apenas os casos mais recentes.

A tropa australiana colaborava com os invasores estado-unidenses.

A tropa australiana colaborava com os invasores estado-unidenses.

Missão cumprida, proclamou o comandante em chefe de turno da “civilização ocidental”, Joseph Biden. “Os Estados Unidos fizeram o que vieram fazer… apanhar os terroristas que nos atacaram em 11 de Setembro; agora é hora de voltar para casa”. Assim se escreve a história, falsificando-a, contando com a memória cada vez mais curta das opiniões públicas trabalhadas por uma comunicação social agindo em modo de propaganda. Segundo a narrativa oficial, o suposto responsável pelos atentados de 11 de setembro, Ussama bin Laden, foi assassinado por forças especiais norte-americanas em 2 de maio de 2011, há dez anos: a “hora de voltar para casa” está, portanto, uma década atrasada. É verdade que também não pode ter-se a certeza sobre a morte de bin Laden nessa data, porque os matadores se apressaram a lançar o cadáver aos peixes. A operação serviu principalmente para honra e glória do presidente dos Estados Unidos que, até ao momento, terá cometido mais execuções extrajudiciais: Barack Obama. De quem Biden foi vice-presidente.

E não é necessário fazer uma grande pesquisa de documentação para concluir que os objetivos oficiais declarados da invasão do Afeganistão, iniciada no Outono de 2001, prometiam um país reconstruído, democrático e estável, livre de terroristas uma vez derrotados os Talibã e os seus protegidos. Ora os Talibã controlam hoje 80% do Afeganistão – apenas menos 5% do que em 2001 –, em Cabul (e pouco mais) reinam um presidente e uma classe política corrupta, as eleições, quando as há, são exemplos de falsificação; e, segundo as notícias mais recentes, os ex-ocupantes e os seus homens de mão estão a ressuscitar as milícias terroristas fundadas pela CIA nos anos oitenta e que foram exterminadas pelos Talibã entre 1992 e 1996.

Bagram era um símbolo

A ministra alemã da Defesa visita do Afeganistão.

A ministra alemã da Defesa visita do Afeganistão.

A fuga imperial de Bagram é um episódio que marca, como nenhum outro, a derrota dos Estados Unidos e da OTAN no Afeganistão. A base de Bagram era um símbolo e um centro operacional da ocupação. Situada apenas a 60 quilómetros de Cabul, era também o principal ponto de apoio militar ao regime instalado na capital e que nunca conseguiu estender a sua ação muito para lá do perímetro da principal cidade do país.

Bagram era também um dos principais centros de tortura que caracterizam as guerras eternas impostas pelos Estados Unidos e aliados como sustentáculos de uma ordem mundial unipolar assente no imperialismo e no colonialismo militar da NATO ao serviço da globalização do regime único neoliberal.

Embora a fuga de Bagram marque o fim de 20 anos de invasão e ocupação do Afeganistão pela OTAN, a intervenção norte-americana no país iniciou-se muito antes, há 42 anos, ainda na administração do presidente democrata James Carter e do seu chefe do Conselho de Segurança Nacional, o estratego Zbigniew Brzezinski.

Julian Assange, que denunciou crimes de guerra no Afeganistão.

Julian Assange, que denunciou crimes de guerra no Afeganistão.

Foi nessa altura que os Estados Unidos, por intermédio da CIA e também do Paquistão, França, Reino Unido e Arábia Saudita criaram a malha de terrorismo de fachada islâmica para combaterem indiretamente a presença militar da União Soviética no apoio ao governo progressista de Cabul. É impossível ter a noção do que seria hoje o Afeganistão sob a ação continuada dos governos da República Democrática – designadamente em áreas como a educação, a saúde, as vias de comunicação, o abastecimento de água e energia e os direitos das mulheres – se a sua atividade não tivesse sido sabotada pelo terrorismo disseminado pelos Estados Unidos e que deu origem a aberrações como Bin Laden, a al-Qaeda e as gangues de criminosos conhecidos como Mujahidines.

É importante recordar que a República Democrática do Afeganistão sobreviveu três anos à retirada militar soviética, em 1989, e apenas foi derrotada quando a Rússia do inqualificável Boris Iéltsin e da sua corte de “reformadores” lhe retirou apoio, dando assim alento às várias facções terroristas, que não tardaram em entrar numa destruidora guerra civil.

Por outro lado, ao contrário da narrativa oficial consumida no Ocidente, a retirada soviética não foi descoordenada, nem desordenada, nem um caos, muito menos uma debandada pela calada da noite.

Escreve o analista Lester W. Grau na publicação Slavic Militay Studies: “Há uma narrativa e uma percepção comum de que os soviéticos foram derrotados e expulsos do Afeganistão. Isso não é verdade. Quando os soviéticos deixaram o Afeganistão em 1989 fizeram-no de forma coordenada, deliberada e profissional, deixando para trás um governo a funcionar, uma situação militar melhorada e um esforço consultivo e económico que garantiu a viabilidade e a continuidade do governo. A retirada foi baseada num plano diplomático, económico e militar coordenado, permitindo que as forças soviéticas se retirassem em boa ordem e que o governo afegão sobrevivesse”.

Pelo contrário, a ação norte-americana baseada nos grupos terroristas islâmicos com mentalidade medieval, que hoje funcionam como braços supletivos da OTAN, por exemplo nas guerras eternas na Síria e no Iraque, tal como aconteceu na Líbia, foi o princípio do fim da experiência modernizadora do Afeganistão, afundando o país num caos ingovernável só travado transitória e parcialmente pelos Talibã em 1996.

Da mesma maneira, a retirada norte-americana e da NATO simbolizada em Bagram, sob o signo da missão cumprida, deixa o Afeganistão como um país dilacerado e mergulhado na guerra civil

Mas a partida da guarnição da base pela calada da noite significa uma retirada de facto ou uma transição para a continuação da influência norte-americana agora sob o formato de guerra híbrida, tal como acontece na Síria e em grande parte do Iraque? Muitos indícios apontam para esta metamorfose da ocupação, mas os Talibã, progredindo no terreno sobre a ineficácia e o desmoronamento das forças de segurança montadas pelos ocupantes, têm muito a dizer quanto às próximas etapas no país.

Guerra híbrida

O Taliban já controla a maior parte do país.

O Taliban já controla a maior parte do país. Desde os anúncios da retirada da OTAN do Afeganistão os avanços dos Talibã em direção a Cabul tornaram-se ainda mais fulgurantes. Os antigos “estudantes de teologia” da etnia pashtun, fundado em 1994 em Candaar, mas com raízes também no Paquistão, controlam hoje mais de metade dos 421 distritos afegãos, que correspondem a uma área de 80% do território. Nos últimos tempos os avanços não têm sido feitos com base em combates, mas sim em negociações, rendições, deserções e fugas dos efetivos das forças de segurança criadas e treinadas pela OTAN. Em Cabul teme-se que o Exército Nacional Afegão possa desintegrar-se em algumas semanas.

Segundo mensagens que os dirigentes Talibã têm feito circular, por exemplo na sequência de uma recente visita a Moscou, o grupo não pretende atingir Cabul através da guerra, mantendo-se no quadro das lentas negociações de Doha, no Qatar, para encontrar uma coligação governativa que possa pacificar e estabilizar o país.

O grupo islâmico alega, por outro lado, que deixou de ser etnicamente homogéneo e que atualmente cerca de 30% dos seus quadros dirigentes são não-pashtuns, designadamente tajiques, usbeques e até xiitas hazaras, seus inimigos jurados durante os anos noventa.

A direção Talibã adverte, contudo, que tem “linhas vermelhas” como a de não tolerar que o atual clã governativo do presidente Ashraf Ghani faça parte de uma futura coligação governamental e a de não permitir quaisquer tropas da OTAN no terreno, sejam forças especiais norte-americanas, mercenários contratados por Washington ou Bruxelas ou mesmo as tropas turcas que atualmente fazem segurança ao aeroporto de Cabul. “Qualquer membro da OTAN será considerado ocupante”, definem os Talibã.

O mais provável, porém, é que o grupo islamita venha a confrontar-se não com o precocemente decrépito exército afegão, mas sim com os braços multifacetados de uma guerra híbrida montada em Washington e que terá como meta principal manter a instabilidade no Afeganistão para que o país não possa inserir-se nos enquadramentos regionais euroasiáticos e, sobretudo, da Ásia Central que estão a der desenvolvidos pela Rússia e a China, muitas vezes através da cooperação mútua e de forma complementar.

Plantação de papoula no Afeganistão.

Os documentos secretos do Ministério britânico da Defesa encontrados recentemente num caixote do lixo numa paragem rodoviária no Sudeste de Inglaterra e divulgados pela BBC especificam que Washington e Londres devem cuidar da permanência de forças especiais no Afeganistão que lhes permitam manter o controlo das rotas do ópio que nas últimas duas décadas financiaram os serviços secretos britânicos e norte-americanos, por exemplo na execução de operações clandestinas. Nunca o Afeganistão deu origem a tanta heroína produzida a partir do ópio como durante a ocupação da NATO – responsabilizando-se, segundo dados da ONU, por cerca de 90% do mercado mundial.

Neste contexto cabem duas perguntas: será que a CIA consegue conservar a sua rota da heroína afegã para sustentar as operações clandestinas? Se não conseguir, para onde será transferido esse esforço?

Não há que ter muitas dúvidas quanto à autenticidade dos documentos secretos encontrados “por acaso” em Inglaterra. Neles está descrita a provocação contra a Rússia protagonizada pela passagem do destroyer britânico Defender pelas águas da Crimeia em prontidão de combate, operação entretanto consumada.

Além das forças especiais são várias as componentes encaradas pelos estrategos norte-americanos para o aparelho de guerra híbrida contra o Afeganistão.

O jornal USA Today revelou que o Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos está a debater “as novas formas consideradas necessárias para manter vários milhares de contratados ocidentais”, isto é, mercenários, de modo permitir a atividade de “helicópteros e aeronaves cruciais para a movimentação das pequenas, mas excelentes forças especiais afegãs”.

Além disso, ainda segundo o USA Today, “uma vez que as tropas terrestres da OTAN se tenham retirado, o poder aéreo da aliança baseado na região pode servir para ajudar a recém-criada Força Aérea afegã a apoiar as suas tropas no solo quando estiverem sob ataque”.

Não se trata, contudo, apenas de “apoio”. As missões Estados Unidos/OTAN no Golfo, especialmente no Iraque, manterão o Afeganistão sob mira, inclusivamente para bombardear o país, se necessário. O comandante do dispositivo não será já um general colocado no Afeganistão, mas o general Frank McKenzie do CentCom, responsável operacional do Médio Oriente. Trata-se de utilizar a “capacidade além horizonte”, segundo a terminologia do Pentágono.

Ainda de acordo com o USA Today, nas reflexões do Conselho de Segurança Nacional sugere-se que “algumas áreas que permaneçam sob o controlo dos Talibã devem ser contra-atacadas sempre que haja alvos da liderança do grupo importantes para as forças afegãs”.

Além disso, “as mais apropriadas das muitas milícias afegãs”, os grupos mujahidines em fase de ressurreição promovida pelo governo de Cabul, “deverão ser colocadas na folha de pagamentos do governo e integradas num plano geral de campanha. Os pagamentos devem ser condicionados” – o cúmulo do cinismo – “a alguma medida de contenção e respeito por vidas inocentes por parte desses grupos”. Os Mujahidines ficaram conhecidos pelos saques e chacinas cometidos sob os olhos dos tutores da CIA.

Sabe-se igualmente que a Turquia está a transferir para o Afeganistão cerca de dois mil mercenários islâmicos do contingente da al-Qaeda que ocupa Idleb, na Síria, provavelmente uigures originários da região chinesa de Xijiang, reforçando as bolsas do ISIS e da organização fundada pela CIA e Bin Laden que se reativaram no Afeganistão sob a ocupação da NATO. Parte desses efetivos foram transferidos numa operação especial montada pela CIA quando o Isis perdeu a sua “capital” na Síria, a cidade de Raqqa.

Não deixou ainda de ser uma ideia acarinhada na sede da OTAN, em Bruxelas, a de continuar a manter o Afeganistão como um paraíso para o terrorismo islâmico e respectiva exportação, funcionando sob controlo do Paquistão.

De tudo isto resulta muito claro que a nova fase da influência militar e política dos Estados Unidos e da OTAN sobre o Afeganistão se orienta pela necessidade de alimentar a guerra civil, prolongar os conflitos Inter étnicos e interconfessionais, perpetuar a instabilidade e impedir a reconstrução do país. Ou seja, um foco de caos para dificultar as ações que se orientam pela reconstrução do país, a integração e o desenvolvimento regional.

Reunião da Organização de Cooperação de Shangai em Dushanbe, Julho/2021.

Reunião da Organização de Cooperação de Shangai em Dushanbe, Julho/2021.Neste quadro, parece natural que se registem aproximações da China, da Rússia e do próprio Irã em relação aos Talibã, a organização que parece em melhores condições para assumir um papel estabilizador no Afeganistão.

Em junho realizou-se uma reunião trilateral entre representantes da China, dos Talibã e do Paquistão a propósito da qual o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros saudou “o rápido retorno” do grupo afegão “à vida política no país”, fez votos de “uma recuperação pacífica do Afeganistão” e prometeu “expandir laços económicos e comerciais”.

A China está interessada em estender ao Afeganistão o seu projeto de corredor económico com o Paquistão integrado na nova rota da seda ou Iniciativa Cintura e Estrada (ICE). O primeiro passo seria a construção de uma autoestrada ligando Cabul a Peshavar através da passagem do Khyber. O troço seria um sector do corredor econômico China-Paquistão, que inclui a construção do estratégico aeroporto de Tashkurgan do lado do Xijiang na estrada do Caracórum, a apenas 50 quilómetros do Paquistão e também nas proximidades do Afeganistão e do porto de Gwadar, no Balochistão.

Pequim entende também que a pacificação do Afeganistão seria muito importante para reduzir as ações desenvolvidas por terroristas do Isis contra a região uigur do Xijiang.

Moscou tem sido palco de reuniões Inter afegãs e recebeu recentemente a visita de uma delegação Talibã ao mais alto nível – o que faz admitir uma próxima retirada do grupo islamita da lista de organizações consideradas terroristas pela Rússia.

Um Afeganistão pacificado é igualmente um objetivo que se enquadra nos esforços de integração regional desenvolvidos pela Rússia através da Organização de Cooperação de Xangai e da União Econômica Euroasiática, que incluem projetos sintonizados com ações da China na região.

A fuga da OTAN de Bagram pela calada da madrugada de 2 de julho não foi, na perspectiva norte-americana, um movimento para induzir a pacificação do Afeganistão. Há perspectivas claras sobre o futuro do país em termos de guerra e paz. O colonialismo ocidental continuará a privilegiar a guerra, ainda que em novos formatos, mas tanto em Washington como em Bruxelas seria aconselhável refletir sobre a tradição afegã de ser um cemitério de impérios.

O mais certo, porém, é que a cegueira geopolítica prevaleça.

Ver também:

Rússia-China advance Asian roadmap for Afghanistan, Pepe Escobar, 15/julho

Say hello to the diplo-Taliban, Pepe Escobar, 09/julho

A Saigon moment in the Hindu Kush, Pepe Escobar, 07/julho

[*] Jornalista.

O original encontra-se em www.oladooculto.com/noticias.php?id=931

Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .