Uma nova pesquisa americana chegou à conclusão de que quase todo suplemento dietético, vitamínico ou mineral não traz benefícios para a saúde, como uma maior expectativa de vida ou um menor risco de doença cardíaca.

Os pesquisadores analisaram os resultados de 277 ensaios clínicos utilizando 24 tipos de intervenção diferentes que testaram 16 vitaminas ou outros suplementos, bem como oito dietas em relação a suas associações com mortalidade e condições como doenças cardíacas e derrame. No total, foram examinados os dados de 992.129 indivíduos.

Os suplementos revisados foram: antioxidantes, β-caroteno, vitaminas do complexo B, multivitaminas, selênio, vitamina A, vitamina B3/niacina, vitamina B6, vitamina C, vitamina E, vitamina D, cálcio, cálcio e vitamina D juntos, ácido fólico, ferro e ácido graxo ômega-3 (também conhecido como óleo de peixe).

As dietas revisadas foram: dieta mediterrânea; dieta baixa em gordura saturada; dieta baixa em gordura saturada ou com substituição de calorias por gorduras ou carboidratos mais insaturados; dieta baixa em gorduras; dieta baixa em sal em pessoas saudáveis e com hipertensão; dieta rica em ácido alfa linolênico (nozes, sementes e óleos vegetais); e dieta rica em ácidos graxos ômega-6 (nozes, sementes e óleos vegetais).

No geral, os cientistas descobriram que os suplementos não faziam mal, mas também não tinham quase nenhum benefício de saúde.

Houve uma possível vantagem de saúde relacionada a uma dieta com pouco sal – 10% menos risco de morte para pessoas saudáveis, 33% menos risco para pessoas com hipertensão.

Algo semelhante ocorreu com estudos sobre suplementos de ácidos graxos ômega-3 – uma redução de 8% no risco de ataque cardíaco e 7% doença coronariana.

Estudos feitos na China com suplementos de ácido fólico foram ligados a um risco 20% de derrame, mas os resultados podem não ser tão relevantes em países que já consomem alimentos enriquecidos com ácido fólico, como os cereais comumente comercializados nos EUA.

Além disso, os pesquisadores descobriram que suplementos que combinam cálcio e vitamina D pode estar ligados a um risco ligeiramente maior de derrame – 17%. Tomados sozinhos, os suplementos não parecem gerar esse risco.

“Nossa análise carrega uma mensagem simples de que, embora possa haver alguma evidência de que algumas intervenções têm impacto na morte e na saúde cardiovascular, a grande maioria das polivitaminas, minerais e diferentes tipos de dietas não tem efeito mensurável na sobrevivência ou redução do risco de doença cardiovascular”, resumiu o principal autor do estudo, Safi U. Khan, professor de medicina da Universidade de West Virginia (EUA).

Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica Annals of Internal Medicine.

// HypeScience – Ciberia